Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

“Um padre estará escondido ali dentro. Esperem aqui!”

Compartilhar

Como um sacerdote perseguido mantinha incrível presença de espírito para driblar os seus perseguidores implacáveis

Na segunda metade da década de 1920, sob o presidente Plutarco Elías Calles, o governo ateu do México promoveu uma brutal perseguição contra os católicos, proibindo toda forma de culto público, fechando igrejas e seminários, assediando e prendendo sacerdotes e martirizando pelo menos 160 padres no paredão de fuzilamento.

Este foi o cenário aterrador encontrado em julho de 1926 pelo jesuíta e futuro mártir pe. Miguel Agustín Pro, recém-retornado à sua terra natal mexicana.

O pe. Pro era abordado e interrogado pela polícia o tempo todo, mas, com coragem heroica e enorme presença de espírito, mantinha com resultados extraordinários o seu apostolado clandestino, celebrando às escondidas os sacramentos e arriscando a vida entre peripécias dignas de filmes de ação.

Certa vez, ao chegar a determinado edifício e perceber que estava sendo seguido por policiais, deu rapidamente um jeito de não demonstrar medo nem expor ao perigo as pessoas que o esperavam: foi fazendo, já de longe, um movimento como de quem apresenta um distintivo e passou pela polícia afirmando com determinação e autoridade: “Um padre estará escondido ali dentro. Esperem aqui”.

Pensando que se tratasse de um agente à paisana, os policiais o deixaram passar. Ao entrar no edifício, cumpriu a missão que o trouxera até ali: oferecer os sacramentos a um grupo de católicos que, tão clandestinamente quanto ele, se arriscavam por amor a Cristo. E depois saiu, saudando os policiais e informando que o tal padre não estava mais lá dentro!

Em outra ocasião, quando também notou que dois agentes o vigiavam, encontrou na rua uma senhora católica, já conhecida sua por frequentar as Missas; aproximou-se dela e ordenou em voz baixa que agisse como se fosse sua esposa. Vestido de civil conforme a lei o obrigava, ele se pôs de braços dados com a repentina “esposa” e seguiu andando tranquilamente, deixando os agentes mais uma vez confusos diante da sua incrível rapidez de raciocínio – que ele conseguia manter apesar do nervosismo que aquele contexto de perigo constante provocaria em qualquer um.

Firme até o martírio

Com essas “afrontas” e o sucesso do seu apostolado, o pe. Miguel Pro se tornou um dos maiores inimigos do governo callista. Ele não esmoreceu nem sequer quando foi finalmente preso e condenado ao fuzilamento. Seu testemunho na hora do martírio pode ser conferido neste outro artigo arrepiante, inclusive com fotos que o governo fez para humilhá-lo e que, no entanto, só serviram para encorajar o povo mexicano a perseverar na fé:

O governo fotografou o martírio deste padre para humilhá-lo; mas o efeito foi o contrário!

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.