Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 24 Julho |
home iconEm foco
line break icon

O que há por trás de um terrorista como o da ponte de Westminster?

DAVID HOLT-CC

Jaime Septién - publicado em 29/03/17

O vazio, a falta de sentido, o nada...

A resposta a esta pergunta é múltipla, variada e, paradoxalmente similar: o terrorismo islâmico é uma “resposta” tangível para quem não encontra mais sentido na vida (nem na própria vida, nem na vida dos que são brutalmente levados à morte).

Tomemos como exemplo o último caso, o de Khalid Masood, o terrorista do atentado de Westminster, em Londres. Era um bom tipo, nascido e criado na Inglaterra, que ajudava os companheiros de escola quando jovem. Ninguém identificava nele qualquer tendência violenta. Até que completou 50 anos e decidiu matar os “infiéis”, obedecendo a ordens (“o que obedece não erra”, parece ser a essência destes atos incompreensíveis).

Dava a impressão que Masood era um jihadista atípico. Geralmente, os jihadistas tinham outro estilo de vida e até outra idade; eram jovens ou adolescentes. Mas ultimamente não. Agora são cinquentões, absolutamente desencantados da vida, que veem no radicalismo uma forma de morrer dignamente… matando os outros.

 “A biografia de Masood é muito parecida com a do terrorista de Orly, a dos responsáveis pelos ataques de Paris, em 2015, e de Bruxelas, em 2016. Trata-se de pessoas nascidas na Europa, delinquentes comuns, que, em um determinado momento, encontram no terrorismo islâmico o sentido para a vida. Parece que Masood se radicalizou em uma estância da Arábia Saudita”, escreve em seu portal o jornalista espanhol Fernando de Haro.

Isso nos demonstra duas coisas. Primeira: o terrorismo islâmico sabe como “vender” seu produto de morte aos cansados da civilização ocidental e sua despersonalização pela ausência de valores que deem sentido à vida. Segunda: a Europa está errando na estratégia para combater o terrorismo. Os terroristas já não são mais como mostram os filmes, mas sim pequenos batedores de carteiras, medíocres funcionários que recebem dinheiro do Oriente Médio para encontrar a razão de existir, matando.

Como perguntou Camus em uma reunião depois da Segunda Guerra Mundial (29 de outubro de 1946), em que estavam Malraux, Koestler e Sartre: “Vocês não acreditam que todos somos responsáveis (na civilização ocidental) pela falta de valores?” O fato de serem filhos do niilismo, de Nietzsche e do marxismo totalitário fez que com que muitos intelectuais –  e com eles as principais correntes de opinião e os meios de comunicação que queriam estar “à altura” – abraçassem a ausência de valores fortes (qualificados, quase sempre, de “religiosos”) e mudassem a conjugação do verbo “ter”  o sentido da vida.

Os novos valentões não são soldados preparados no jihad: são muçulmanos europeus captados pelo islamismo radical quando já não encontram sentido em seguir vivendo uma sociedade “líquida”, uma sociedade que perdeu o que a distinguia, o que Rob Riemen, ao lado de Thomas Mann, definiu com clareza: o que se perdeu foi a “nobreza de espírito”.

Tags:
MuçulmanosTerrorismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
Atriz Claudia Rodrigues
Reportagem local
Assessora pede orações por atriz Claudia Rodrigues: “está m...
6
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
7
Orfa Astorga
Até que idade é saudável morar na casa dos pais?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia