Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Padre esfaqueado perdoa seu agressor

Compartilhar

Atacado por racismo em uma Igreja de Melbourne, o padre garante que não sente raiva

Uma tragédia terrível poderia ter acontecido no último dia 19 de março na Igreja de São Mateus de Fawner North, subúrbio de Melbourne, a segunda maior cidade da Austrália. Quando se preparava para celebrar a Missa dominical, o padre Tomy Kalathoor Mathew, de 48 anos e origem indiana, foi agredido por um indivíduo que tentou atingi-lo no pescoço com vários golpes de arma branca. O padre foi imediatamente levado ao hospital. Felizmente, as feridas foram superficiais.

A origem do padre Tomy Kalathoor Mathew – ordenado em 2014 – explica a tentativa de assassinato. Seu agressor, um septuagenário, não suportava que um homem indiano pudesse presidir a Missa. Em várias ocasiões anteriores, ele havia aparecido na paróquia, perguntado aos presentes: “Onde está o indiano?”

No dia 4 de março, finalmente se encontrou com o padre. “Não deixarei que você celebre a Missa aqui. Você é indiano e os indianos são hindus ou muçulmanos. Eu vou te matar”, disse ao sacerdote.

 “Orai pelos que vos perseguem”

A ação do agressor entristece o padre. “É um ignorante. Vê-se que ele não sabe que a Índia tem quase 20 milhões de católicos”. E eles são alvos de violência recorrente. A Índia está em 15º lugar na classificação anual dos países onde os cristãos são mais perseguidos, de acordo com a ONG Portas Abertas.

De volta à sua paróquia, onde os fieis multiplicaram os testemunhos de apoio e amizade, o padre Tomy destacou que não guarda nenhuma raiva de seu agressor, que deve comparecer na Justiça no dia 13 de junho.

O sacerdote disse também que tem rezado de coração pelo homem, seguindo à risca uma das prescrições evangélicas mais difíceis: “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céu;” (Mateus 5,44).

Boletim
Receba Aleteia todo dia