Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 17 Abril |
Santa Catarina Tekakwitha
home iconAtualidade
line break icon

O que se sabe sobre o ataque à base aérea na Síria

Agências de Notícias - publicado em 07/04/17

A base aérea síria de Al-Shayrat, alvo de um ataque americano de mísseis de cruzeiro, foi o ponto de decolagem dos aviões que lançaram um ataque químico atribuído ao regime de Damasco, segundo o Pentágono.

– 59 mísseis –

A base de Al Shayrat, na província central de Homs, foi atacada às 00h40 GMT (21h40 de Brasília, uinta-feira) por 59 mísseis Tomahawk lançados a partir dos navios americanos USS Porter e USS Ross, que estavam no Mediterrâneo oriental.

De acordo com o Pentágono, os serviços de inteligência americanos determinaram que os aviões que lançaram o ataque químico contra a localidade de Khan Sheikhun haviam decolado a partir desta base.

A base era conhecida como lugar de armazenamento de armas químicas antes de 2013 e do desmantelamento do arsenal químico sírio, indicou o capitão Jeff Davis, porta-voz do Pentágono.

A agência oficial síria Sana informou que o ataque “provocou a morte de nove civis, entre eles quatro crianças, deixou sete feridos e ocasionou importantes destruições em casas das aldeias de Al Shayrat, Al Hamrat e Al Manzul”, próximas à base.

A Sana não informou se este balanço inclui o relato de seis mortos fornecido pelas forças armadas sírias.

– Aviões, hangares, radar –

As primeiras avaliações do bombardeio mostram que ocorreram “grandes danos ou destruição de aviões” e de infraestruturas da base, “diminuindo a capacidade do governo sírio para realizar ataques”.

Os mísseis Tomahawk estabeleceram como alvo principalmente “hangares aéreos reforçados”, tanques de armazenamento de petróleo, munições, defesas antiaéreas e radares.

Mas a pista não foi atacada, declarou o capitão Davis, contrariando indicações fornecidas em um primeiro momento por um responsável americano.

O general H.R McMaster, conselheiro de segurança nacional do presidente Trump, afirmou que os americanos evitaram atacar o lugar “onde pensamos que gás sarin é armazenado”.

“Não desejamos criar um risco para civis nem para ninguém”, acrescentou.

Segundo o diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, “o aeroporto foi quase totalmente destruído: os aviões, a pista, o depósito de combustível e as instalações de defesa aérea foram pulverizados”.

Enquanto isso, o correspondente da rede de televisão Rossiia 24, Evgueni Poddoubni, que se dirigiu ao local, afirmou que “nove aviões sírios das Forças Armadas foram destruídos” pelo bombardeio americano.

Nas imagens é possível ver ao menos dois aviões intactos em seus hangares de concreto armado, enquanto escombros não identificáveis cobrem o solo. Também é possível ver o impacto de uma bomba que escureceu a pista de pouso, que ficou, no entanto, em bom estado.

– Os russos informados –

O capitão Davis indicou que “todas as precauções foram tomadas para executar o ataque com um mínimo de riscos” para os funcionários presentes na base e principalmente os russos que estavam ali.

O ataque “não tinha como alvo as pessoas”, disse.

Segundo ele, os russos foram advertidos antes do ataque através de uma linha de comunicação especial instalada por militares americanos e russos desde o outono (boreal) de 2015 para evitar qualquer incidente aéreo entre seus aviões no céu sírio.

Ocorreram “múltiplas conversas” com os russos na quinta-feira através da linha especial, indicou. Afirmou que os militares americanos conheciam “o local preciso” da base utilizado pelos militares russos.

– “Resposta proporcional” –

O porta-voz americano deu a entender que não há a intenção de repetir o ataque.

“Foi uma resposta proporcional” ao ataque a Khan Sheikhun destinada a “dissuadir o regime de utilizar armas químicas novamente”.

“Será decisão do regime se serão realizados outros (bombardeios), isso será decidido com base em seu comportamento futuro”, acrescentou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia