Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconAtualidade
line break icon

Egito prepara instauração de estado de emergência após atentados contra igrejas

العربية

Agências de Notícias - publicado em 10/04/17

O Egito se preparava nesta segunda-feira para decretar estado de emergência pela primeira vez desde 2013, após atentados contra duas igrejas coptas que deixaram 45 mortos no domingo, o que aumenta a preocupação dos cristãos.

O estado de emergência, que o presidente Abdel Fatah Al-Sisi quer decretar por três meses, de acordo com um anúncio feito no domingo, aumenta consideravelmente os poderes da polícia em termos de detenções e vigilância. Também permite a imposição de restrições à liberdade de movimento.

O governo anunciou que o estado de emergência começaria nesta segunda-feira às 13H00 (8H00 de Brasília), mas não estava claro se já havia entrado em vigor ou não. De acordo com a Constituição, a medida precisa da aprovação do Parlamento, uma formalidade porque o presidente tem maioria na Câmara dos Deputados.

Para o deputado Yehia Keduani, membro da Comissão de Defesa e Segurança Nacional, “a maioria do Parlamento aprovaria o estado de emergência, já que a situação exige a medida para restabelecer a segurança nacional”.

O estado de emergência vigorou por três décadas, sob o mandato de Hosni Mubarak, e sua revogação foi uma das principais demandas dos militantes que protagonizaram a revolta de 2011 que provocou o fim de seu governo.

Suprimida em 2012, a medida foi restabelecida durante um mês após a queda do presidente islamita Mohamed Mursi, um ano depois, enquanto as forças de segurança reprimiam com violência os simpatizantes de Mursi.

O estado de emergência, no entanto, permanece em vigor há vários anos em parte do norte da península do Sinai, onde o grupo extremista Estado Islâmico (EI) é muito ativo.

– ‘Proteção total’ –

O presidente anunciou que decretaria a medida no domingo à noite, poucas horas depois dos atentados reivindicados pelo EI contra duas igrejas cristãs coptas, em Alexandria e Tanta, ao norte do Cairo, em plena celebração do Domingo de Ramos.

Com 45 mortos, estes foram os atentados mais violentos nos últimos anos contra os coptas, que representam 10% dos 92 milhões de habitantes do país.

Depois de ordenar a mobilização do exército para proteger as “infraestruturas vitais” do país, o chefe de Estado pediu medidas para “assegurar uma proteção total das fronteiras”.

De acordo com Keduani, a medida permitirá às forças de segurança manter em detenção por 45 dias os “elementos terroristas ativos conhecidos pelos serviços, mas contra os quais não há provas suficientes para levá-los à justiça”.

O grupo EI, cujo braço egípcio ameaçou recentemente intensificar os ataques contra os coptas, afirmou que os dois atentados foram executados por homens-bomba egípcios.

– Funeral –

Na manhã desta segunda-feira em Alexandria, diante da igreja de São Marcos, onde um homem-bomba provocou a morte de 17 pessoas na véspera, os investigadores faziam fotos das área atingida.

O papa copta, Teodoro II, havia acompanhado uma cerimônia no templo durante a manhã, mas no momento da explosão já havia deixado a igreja.

Um funeral também foi organizado em mosteiro próximo de Alexandria, em uma igreja lotada para onde foram levados os corpos das vítimas.

O outro ataque aconteceu em Tanta, no Delta do Nilo, 120 km ao norte do Cairo, na igreja Mar Girgis (nome dado no Egito a São Jorge). O atentado deixou 28 mortos e 78 feridos.

Os coptas ortodoxos do Egito formam a comunidade cristã mais numerosa do Oriente Médio e também a mais antiga. Eles se consideram vítimas de discriminações por parte das autoridades e da maioria muçulmana.

Os ataques de domingo aconteceram quatro meses depois de um atentado suicida reivindicado pelo EI contra uma igreja do Cairo que matou 29 pessoas.

O papa Francisco, que tem uma viagem programada ao Cairo nos dias 28 e 29 de abril, confirmou a visita, indicou um alto funcionário do Vaticano à imprensa italiana.

Mustafa Kamel Al-Sayyid, professor de Ciências Políticas na Universidade do El Cairo, advertiu para o risco que o estado de emergência pode representar para os ativistas da oposição.

“Com Al-Sisi, vemos que as detenções e os julgamentos também afetam pessoas que não têm nenhum vínculo com os atos terroristas”, disse.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia