Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 26 Julho |
Santo Austindo
home iconPara Ela
line break icon

Gianna: médica, esposa, mãe e santa

Vanderlei de Lima - Igor Precinoti - publicado em 10/04/17

Nutria grande amor pelas crianças e sonhava vir para o Brasil ajudar o irmão de sangue, Pe. Alberto

Gianna Beretta Molla nasceu em 4 de outubro de 1922, Dia de São Francisco de Assis, filha de Alberto Beretta e Maria Michelli, ambos da Ordem Franciscana Secular, em Magenta, Milão (Itália). Era a 12ª filha do casal Beretta.

© Fondazione Gianna Beretta Molla

Desde muito pequena, a menina Gianna acompanhava sua mãe à Missa diária e – no fervor da norma dada pelo Papa São Pio X para que as crianças pudessem receber o Senhor Jesus na Eucaristia – fez a sua Primeira Comunhão com apenas 5 aninhos, no dia 4 de abril de 1928. Aos 7 anos, segundo praxe vigente, foi crismada.

Nos tempos de estudante – seja na infância, na adolescência ou na juventude – nunca deixou de rezar nem de demonstrar a sua fé por meio das obras. Integrava a Ação Católica Italiana e não se descuidava dos mais necessitados em seu trabalho caridoso na Associação São Vicente de Paula.

Em 1949, formou-se “com louvor” em Medicina e Cirurgia Geral e, já no ano seguinte, abriu seu próprio consultório no qual tinham espaço preferencial as mães, os idosos, as crianças e os pobres. Muitas foram as consultas atendidas de forma gratuita, pois alguns não tinham sequer com o que se alimentar no dia a dia.

Em 1952, especializou-se em Pediatria pela Universidade de Milão e, depois, em Obstetrícia pela Clínica Obstétrica Mangiagalli. Nutria grande amor pelas crianças e sonhava vir para o Brasil ajudar o irmão de sangue, Pe. Alberto – que, com auxílio de outro irmão, o engenheiro Francesco, construíra o Hospital do Grajaú, no Maranhão –, mas sua saúde precária a impediu de realizar esse desejo.

Casou-se com Pietro Molla, em 24 de setembro de 1955. Seu amor por crianças a levou, junto ao marido, a desejar vários filhos, de modo que, já no noivado, escreveu ao futuro esposo: “Quero formar uma família verdadeiramente cristã; um pequeno cenáculo onde o Senhor reine nos nossos corações, ilumine as nossas decisões, guie os nossos programas”. Mais: foi sempre, radicalmente, contra o homicídio no ventre materno, por meio do aborto provocado. Dizia que “o direito à vida da criança é igual ao direito à vida da mãe! O médico não pode decidir. É um pecado matar no seio materno!”.

O casal Beretta Molla teve quatro filhos: Pierluigi, Maria Zita, Laura e Gianna Emanuela. No entanto, aqui se coloca um fato decisivo na vida da Dra. Gianna. Sim, depois do nascimento de Laura, a médica perdeu, por causas não bem explicadas pela Medicina de então, na quinta e na sexta gravidez, dois de seus filhos sempre no segundo mês de gestação. Em 1961, aos 39 anos, no entanto, engravidou-se pela sétima vez.

Além dos riscos da idade e das complicações anteriores, outro problema surgiu: um tumor no útero. Este a deixava apenas com duas opções moralmente lícitas: remover o útero (fim bom desejado) e com isso perder a criança (fim mau não desejado) ou, então, arriscar-se contra todas as possibilidades, que ela bem conhecia, a submeter-se a uma cirurgia para a retirada da criança com vida, mas sob forte risco de ela mesma vir a óbito. Não hesitou: “Salvem a criança, pois tem o direito de viver e ser feliz!”.

No dia 21 de abril de 1962, seu médico, no hospital de Monza (Itália), por cirurgia, trouxe ao mundo uma linda menina que foi batizada com o nome de Gianna Emanuella. Já Gianna, a mãe heroína, faleceu 7 dias depois em sua casa rodeada pela família, mas feliz por ter dado a vida pela filha – como, aliás, fazem as mães que muitas vezes se colocam diante de um assassino para proteger seus filhos de tiros, pauladas, facadas etc.

Gianna Emanuella é médica, na Itália, e ardorosa defensora da vida indefesa no ventre materno. Sua mãe foi beatificada pelo Santo Padre João Paulo II, em 1992, e canonizada – declarada santa – pelo mesmo Papa no dia 16 de maio de 2004.

Santa Gianna Beretta Molla, rogai a Deus por todos nós, mas especialmente pelas crianças ameaçadas, dentro ou fora do ventre materno. Amém.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Tags:
AbortomedicinaSantosSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
3
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
4
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
5
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia