Aleteia

A ideia de privacidade dos nossos filhos está mudando

Pexels Photo
Compartilhar
Comentar

E por que não devemos deixar isso acontecer

Quando eu comecei a paquerar, lembro-me que rapidamente percebi que estava intimidado com a ideia de “ter um encontro”.

Lembro-me das conversas telefônicas para manter a paquera ativa. Mas, uma noite, eu decidi que era hora de fazer uma chamada em um dos telefones fixos (já que não havia nenhuma outra opção) no quarto de cima, que eu compartilhava com meus dois irmãos mais novos. A qualquer momento, a privacidade que eu desesperadamente desejava poderia ter sido quebrada por um irmão que entrasse no quarto. É desnecessário dizer que a conversa não demorou muito porque eu estava preocupado que alguém ouvisse minha conversa.

Vinte e cinco anos mais tarde, a paisagem é radicalmente diferente: 80 a 85 por cento dos alunos do ensino médio têm seu próprio smartphone ou tablet. Longe vão os dias em que as conversas eram frente a frente, ou encaminhadas de maneiras diferentes.

Desde quando a privacidade se tornou um direito?

Não surpreendentemente, juntamente com essas grandes inovações tecnológicas, há uma mudança na forma como nossos filhos percebem o seu direito à privacidade, e o que realmente significa a palavra privacidade. Quando eu era pequeno, meus amigos e eu assumíamos que qualquer tipo de conversa poderia ser ouvida por nossos pais ou irmãos.

No entanto, as crianças hoje assumem que têm o direito de ter conversas, mensagens e imagens sem que seus pais monitorem essa atividade. Recentemente, um dos meus jovens pacientes me perguntou algo que ele pensava ser uma pergunta óbvia: se eu achava que seus pais (que estavam na sala) tinham o direito de ver seus posts do Facebook ou Twitter. Quando eu respondi de forma natural que eu acho que eles agem corretamente (por várias razões que eu expliquei mais tarde), ele parecia atordoado. Como muitos dos seus amigos, ele achava que tinha direito à plena privacidade.

A realidade óbvia, mas frequentemente negligenciada, é: crianças que vivem no ano de 2017 não têm mais direito à privacidade do que as crianças que viveram em 1987, 1967 ou antes. A tecnologia simplesmente permitiu isso sem qualquer discussão real sobre se deveria ser. E à medida que mais crianças acreditam em uma maior privacidade, e exercê-la através do uso de dispositivos protegidos por senha (ironicamente pagos por seus pais), os pais perdem a capacidade de monitorar e fornecer feedback para as ações das crianças. Hoje em dia, não precisamos apenas nos preocupar com o local, o que eles estão dizendo e fazendo quando estão longe de casa. Agora temos de nos preocupar onde eles estão no ciberespaço, e o que eles estão dizendo ou fazendo mesmo quando eles estão na mesma sala.

Nossos filhos precisam de nós mais do que nunca

Mesmo as crianças merecem certo nível de privacidade. Devemos todos chegar a ter um lugar privado que existe nas cavernas de nossas próprias mentes. À medida que as crianças crescem e se socializam, é importante que aprendam a interagir sem esperar que tudo o que dizem será ouvido e investigado pelos adultos. Em última análise, é um equilíbrio entre proteção e confiança. Quando deixamos que nossos filhos estejam em determinados lugares, parte do processo de crescimento para eles (e nosso) é aprender a gerenciar o que eles dizem, ou então eles muitas vezes sofrerão consequências naturais e desagradáveis. Na maioria das vezes as crianças devem ter o direito de crescer dessa maneira.

Mas o mundo em que vivemos agora, conduzido pelas redes sociais, pode estar levando esta ideia a um extremo pouco saudável. A maioria das pessoas com mais de 30 anos cresceu percebendo que há diferenças entre o que poderíamos dizer pessoalmente e o que poderíamos dizer em uma sala de bate-papo, texto ou segmento do Facebook, anonimamente ou não. Hoje, porém, as crianças são confrontadas com muitas opções tentadoras para instantaneamente dizer o que sentem ou pensam sem sempre compreender as consequências potenciais. É seguro dizer que a nossa juventude precisa de nós hoje mais do que nunca quando se trata de navegar na autoestrada da comunicação.

O direito dos pais de saber – e agir

Se você é como eu, fica atormentado ao pensar que poderia ser deixado de fora de uma das decisões mais importantes da vida do seu filho. Assim como a questão dos smartphones e mensagens de texto, em algum lugar ao longo da linha parece que começamos a ignorar o enorme corpo de pesquisa que indica que o cérebro de nossos adolescentes está longe de ser desenvolvido, e os pais em nossas comunidades devem estar envolvidos em decisões críticas que ocorrem com nossos filhos.

Como um grande risco, como alguns podem pensar que é tirar a confidencialidade sobre a sexualidade de um jovem, eu acho que, em primeiro lugar, o maior risco social é deixar os pais de fora. Simplesmente porque certos pais não exercem sua autoridade corretamente, ou certos adolescentes agem inapropriadamente, não deve significar que todos os pais poderiam ser potencialmente privados de seu direito de saber.

Um mundo de cercas altas

Não é estranho que uma lesão no joelho ou uma depressão necessitem de comunicação entre pais e adolescentes, enquanto uma possível decisão de abortar não? No meu escritório, mesmo que eu conceda aos adolescentes o direito à privacidade em nossas conversas, eu legalmente não posso ver um adolescente de 17 anos até o consentimento dos seus pais e é eticamente necessário informar os pais em situações de danos claros (como pensamento suicida), independentemente de quão desconfortável possa ser.

Vivemos numa sociedade privatizada. Cercas altas abundam em muitos lugares. Identificador de chamada e proteção de senha é o nome do jogo. As opiniões variam. Queremos que nossos filhos aprendam a pensar e a raciocinar por conta própria. Mas se as nossas tentativas de amá-los e ensiná-los como acharmos adequado são cada vez mais falsificadas pelo valor da privacidade e confidencialidade, então a nossa influência só vai continuar a diminuir. Uma vez que nossos filhos saem da nossa casa, eles têm uma vida inteira para ser tão privados quanto eles querem assumir que eles respeitam as leis da terra. Mas enquanto eles estão vivendo em nossa casa, simplesmente não podemos dar ao luxo de aceitar os termos de privacidade que estão sendo apresentados hoje.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia