Aleteia

A oração que comove o Coração de Cristo na hora da morte: “Não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso”

TV Canção Nova
Compartilhar
Comentar

O inimaginável poder de cura da alma por meio do Terço da Misericórdia

Oração muito simples, singela como Jesus, o Terço da Misericórdia tem origem na revelação do próprio Jesus a Santa Faustina Kowalska (1905-1938):

“Pela recitação desse Terço, agrada-Me dar tudo o que Me pedem. Quando o recitarem os pecadores empedernidos, encherei as suas almas de paz e a hora da morte deles será feliz. Escreve isto para as almas atribuladas: Quando a alma vê e reconhece a gravidade dos seus pecados, quando se desvenda diante dos seus olhos todo o abismo da miséria em que mergulhou, que não desespere, mas que se lance com confiança nos braços da minha Misericórdia, como uma criança nos braços da mãe querida.

Estas almas têm sobre meu Coração misericordioso um direito de precedência. Diz que nenhuma alma que tenha recorrido à minha Misericórdia se decepcionou nem experimentou vergonha (…) Quando rezarem este Terço junto dos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso.

Às três horas da tarde, implora à Minha Misericórdia, especialmente pelos pecadores, e, ao menos por um breve tempo, reflete sobre a Minha Paixão, especialmente sobre o abandono em que Me encontrei no momento da agonia.

Esta é a hora de grande Misericórdia para o mundo inteiro. Permitirei que penetres na Minha tristeza mortal. Nessa hora, nada negarei à alma que Me pedir em nome da Minha Paixão”.

 

Para rezar o Terço da Misericórdia

Use o terço normal – ou, se não estiver com ele à mão, use seus próprios dedos como “contas” para acompanhar as orações.

É muito recomendável rezar o Terço da Misericórdia às 3 horas da tarde, hora em que Jesus morreu na Cruz e, por isso mesmo, a “Hora da Misericórdia”. Mas não é obrigatório: ele pode ser rezado em qualquer momento, já que, afinal, toda hora, para Deus, é hora de misericórdia!

 

As orações

Comece com o Sinal da Cruz.

Reze um Pai-Nosso.

Reze uma Ave-Maria.

 

Reze o Credo dos Apóstolos:

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso,

Criador do céu e da terra,

e em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor,

que foi concebido pelo poder do Espírito Santo,

nasceu da Virgem Maria,

padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado,

desceu à mansão dos mortos,

ressuscitou ao terceiro dia,

subiu aos céus,

está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso,

de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo;

na Santa Igreja Católica;

na Comunhão dos Santos;

na remissão dos pecados;

na ressurreição da carne;

na vida eterna. Amém.

 

Em cada conta grande do rosário, reze:

“Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue, Alma e Divindade do Vosso Diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro”.

 

Em cada conjunto de dez contas menores, reze, nas dez vezes:

“Pela Sua dolorosa Paixão,

tende misericórdia de nós e do mundo inteiro”.

 

No fim do terço, reze três vezes:

“Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal,

tende piedade de nós e do mundo inteiro”.

 

 

Pode-se concluir com a seguinte invocação (que pode também ser rezada de modo “avulso” às 3 horas da tarde, em união com a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo):

“Ó Sangue e Água que jorrastes do Coração de Jesus, como fonte de misericórdia para nós, eu confio em Vós”.

Compartilhar
Comentar
Boletim
Receba Aleteia todo dia