Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconReligião
line break icon

Brasil: 20 novas “organizações religiosas” são registradas - por dia!

Creative Commons

Dom Edney Gouvêa Mattoso - Aleteia Brasil - publicado em 25/04/17

No entanto, a tabela do CNPJ exclui a natureza jurídica eclesiástica da Igreja. Por quê?

Reproduzimos o seguinte texto de dom Edney Gouvêa Mattoso, bispo de Nova Friburgo, RJ.

Surto fundacional com redução da liberdade religiosa

No contexto social de pluralismo religioso, não rara é a publicação de estudos sociológicos que mostram a impressionante diversificação e o fantástico aumento de associações que, sob a natureza jurídica de organizações religiosas (artigo 44, IV do Código Civil Brasileiro), usufruem das garantias de livre criação, organização e funcionamento.

Salta aos olhos a facilidade com a qual uma associação surge e consegue sua inscrição como “organização religiosa” no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). De janeiro de 2010 até fevereiro de 2017, 67.951 entidades foram inscritas, o que resulta em 25 novas inscrições por dia. Ao levar em consideração somente os grupos novos, os números baixam para 20 novas organizações por dia (Cf. O Globo, 26/03/2017, p.3), um número muito alto. Vale dizer que a expressão “organização religiosa” não é adotada no texto da Lei Maior pátria, nem do Código de Direito Canônico. A gênese dessa expressão reside numa iniciativa de lideranças e políticos evangélicos, aprovada no Congresso Nacional em 2003, para modificar a redação do artigo 44 do Código Civil Brasileiro. Desde então, a Receita Federal a utiliza para descrever a natureza jurídica de todas as pessoas jurídicas de quaisquer religiões existentes no País.

No caso da Igreja Católica, devido a sua histórica e notável organização jurídica e diplomática, suas relações com o Brasil são reguladas pelo “Acordo Internacional Brasil-Santa Sé” (AIBSS), aprovado pelo Congresso Nacional em 07/10/2009. Formalmente, esse diploma legal concede significativa certeza jurídica à identidade institucional da Igreja no Brasil e suas instituições internas, em seu dúplice aspecto de personalidade jurídica canônica e personalidade jurídica civil. Entretanto, na prática dos registros da Administração Pública, essa finalidade do Acordo é, há sete anos, eclipsada. Embora apta a descrever a sua realidade complexa que une elementos divinos e humanos, em harmonia com a eclesiologia do Concílio Vaticano II (Lumen Gentium, n.8), a própria natureza de “pessoa jurídica eclesiástica imune” (artigo 15, AIBSS) é excluída da Tabela de Natureza Jurídica usada no CNPJ. Por quê?

O que me pergunto é se a fé do nosso povo é realmente tão diversificada ou se há outras motivações para a recente irrupção de entidades que se “autodenominam” religiosas.

Basta pensar que, quando inseridas no anônimo e heterogêneo conjunto de dezenas de milhares de “organizações religiosas”, as instituições católicas tendem a padecer com a falta de transparência pública de seu próprio regime jurídico sui generis, em parte com o concurso do CNPJ. No site oficial da Receita Federal, para consulta pública, consta como única opção o código 322-0 e a descrição de natureza jurídica “organização religiosa”. Uma natureza pela metade, que dá “mínima efetividade” à natureza jurídica aprovada no AIBSS. Será que o igualitarismo e o relativismo têm maior “peso” nos órgãos fazendários do que a execução das normas da Constituição Federal e de tratado internacional, por mais nítida que seja a terminologia empregada nessas normas de direitos fundamentais?

Em suma: o que ainda falta da parte do Estado? Justiça e transparência. Justiça no fiel cumprimento, pelos servidores públicos, do Direito particular. Transparência pública, que conduza ao conhecimento e à aplicação prática das normas do AIBSS em todos os âmbitos governamentais e sociais. Hoje, de modo racional, simples e inteligível, à “primeira vista”.

Como em todo ambiente sadiamente plural, ninguém se sente diminuído ou discriminado ao conhecer a personalidade e a identidade autêntica do outro. O respeito às desigualdades essenciais é fonte de mútuo crescimento e diálogo, sem preconceitos. Reflitamos.

Dom Edney Gouvêa Mattoso

Bispo de Nova Friburgo, RJ

Tags:
Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia