Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Redação da Aleteia / ACI Digital
Como surgem as intenções de oração do Papa?
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

“Eu tinha um cachorro preto, seu nome era Depressão”

Reprodução/OMS
Compartilhar

Entender a doença é o primeiro passo da cura. Divulgue!

“Eu tinha um cachorro preto, seu nome era Depressão” é um curta-metragem educativo realizado pela Organização Mundial da Saúde que tem como objetivo ajudar a compreender o que verdadeiramente implica a depressão para as pessoas que a sofrem.

Neste ponto é preciso destacar que a depressão não é uma escolha, e portanto deveríamos trabalhar para evitar os rótulos e o estigma que a acompanham. Precisamente com este fim, o vídeo com o qual ilustramos este artigo foi editado.

A depressão e a ansiedade não são sinônimos de fraqueza. Também não são consequência de uma escolha pessoal, não podemos dizer se queremos ou não queremos que nos acompanhem.

Sinais e sintomas da depressão em pessoas jovens. Um curta que já deu a volta ao mundo

“Eu tinha um cachorro preto, seu nome era Depressão” é um curta que deu a volta ao mundo desde que, há alguns anos, se tornou popular na internet. Desde então psicólogos e outras pessoas a serviço da saúde mental utilizam este vídeo como forma de ilustrar e representar a depressão.

Contudo, antes de ver o vídeo, é preciso destacar que a metáfora de usar a imagem do cão preto como a depressão tem sua origem na expressão que Winston Churchill usou para descrever a melancolia. Este poderoso político britânico que combateu o nazismo com firmeza manifestou que com freqüência se via preso à depressão, uma besta que o acompanhou sempre e que o possuiu durante os últimos anos da sua vida.

Um cão cujos uivos lamentosos atormentam a mente de quem os ouve, submetendo a sua vida à angústia, à aflição e à apatia. Vejamos o vídeo:

(Se não conseguir visualizar o vídeo, clique aqui)

Quando a clareza se torna dor e sombra

A depressão não é uma escolha, nem um sinal de fraqueza. Não há ninguém que possa decidir sobre esta sentença. Não funcionamos dessa forma, nem temos um botão que ativa a nossa capacidade de nos sentirmos bem ou mal.

Assim, pode acontecer com qualquer um. De repente, um dia, tudo perde o sentido para nós. Não há nada que nos motive, que nos anime ou que nos faça levantar da cama. O cão preto começa a ficar maior e maior, fazendo com que nos sintamos profundamente tristes e irritados.

A sua presença nos esgota e nos sufoca, a angústia nos invade e as circunstâncias nos vencem, alimentando o nosso cão preto sem forças nem vontade. Às vezes somos mais conscientes da presença do animal, mas também existe a possibilidade de que em certo momento ele nos de um respiro. Isso não significa que tenha desaparecido.

depressão

A instabilidade é a sua especialidade, o que contribui para o isolamento social e emocional. Quando o cão preto o acompanha, você pode acabar sentindo que não merece a companhia daqueles que tem ao seu lado, ou que você não é capaz de dar a ninguém o que precisam.

É comum começar a ver cão preto logo após ter passado por uma perda emocional, uma mudança vital importante ou, simplesmente, um dia qualquer como conseqüência da “gota d’água”.

Haverá momentos nos quais o cão preto estará mais pesado e outros em que estará mais incontrolável, mas ter a certeza de que permanece ao nosso lado é asfixiante. Por isso é importante consultar um profissional de saúde mental, psicólogo ou psiquiatra, pois eles podem nos ajudar a dar coerência emocional à existência e à espreita desse cão preto.

Existem tantos cães pretos quanto pessoas, de modo que nenhum de nós está livre do perigo. Portanto, se não conhecemos a depressão em primeira pessoa, devemos ter cuidado ao julgar e fazer comentários ofensivos e críticos sobre as pessoas que a sofrem.

depressao

Não esqueçamos que todas estas sugestões são tão FALSAS quanto PERIGOSAS:

“Você está assim porque quer”, “Anda, levanta e faça algo da sua vida”, “Você é um frouxo ou frouxa”, “Você não tem idade para estas infantilidades”, “Não chore, não é para tanto”, “Você é um covarde”, “Enfrente a vida de uma vez por todas e deixe de bobagem”….

Se alimentarmos este estigma, estaremos alimentando a ideia de que escolhemos sofrer. Não incendiemos as nossas mentes com um diálogo interior que desmerece e menospreza as nossas emoções e problemas. O cão preto existe e prende à sombra a milhares de pessoas no mundo. Compreendamos e ofereçamos ajuda, mesmo que seja a título de informação mediante este meio de comunicação.

Veja mais:

6 coisas que jamais devemos dizer a alguém com depressão

 

(via Mente Maravilhosa)

Aleteia Top 10
  1. Lidos