Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pelo menos treze indígenas são feridos, um com mãos amputadas, em conflito de terra

Jonas Bendiksen/National Geographic
BANGLADESH. 2010.
Village of Ragob, Sundergonj upazila, Gaibandha district, on the Jamuna (bramaputra) river. This area experienced very high floodlevels abotu a week prior to our arrival.

Home of Jabed Ali (42). Wife: Achia Begum.
4 daughters:
Mossamat Mahmuda (grade 6) in blue
Mossamat Bithi (grade 7), red dress, oldest
Mossamat Jaheda
Mossamat Masuma (smallest, cuddling and going to sleep)

Jabed works as a agricultural day laborer. THe big wooden 'stick'' construction in their flooded courtyard was put there to have something to climb on, to get above the waters.
Compartilhar

Pelo menos treze membros da tribo indígena Gamela foram feridos, um deles com a mão amputada, depois de serem atacados por pistoleiros em um território tradicional que haviam recuperado no estado do Maranhão, no nordeste do Brasil, denunciou nesta segunda-feira o Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

Após agressão, ocorrida no domingo no Povoado das Bahias, en Viana (a 220 km da capital São Luis), cinco das vítimas foram hospitalizadas, e três delas continuam em estado grave, segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT) do Maranhão.

Um deles é Aldeli Ribeiro Gamela, que tomou um tiro na costela e outro na coluna, além de ter a mão amputada e ter sofrido cortes nos joelhos.

De acordo com a CPT, o ataque aconteceu quando os indígenas abandonavam essas terras tradicionais que haviam recuperado na sexta-feira, mas que decidiram deixar “prevendo a violência iminente”. Nesse momento, apareceram dezenas de pistoleiros -comandados por fazendeiros locais, segundo as organizações denunciantes-, equipados com armas de fogo, punhais e pedaços de madeira.

Vários integrantes da tribo fugiram, gerando preocupação sobre novos feridos.

Segundo a Pastoral, o governo do Maranhão já havia sido informado sobre “a situação conflitiva na região e sobre o risco de que ocorresse um massacre”, mas até o momento, não ordenou nenhuma ação policial.

Com as denúncias dessa segunda-feira, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, determinou o envio de uma equipe de agentes federais a Bahias “para evitar mais conflitos”, de acordo com um comunicado emitido pela pasta.

O ataque acontece dez dias depois de nove trabalhadores rurais terem sido massacrados em uma remota zona rural do Mato Grosso, em uma aparente disputa por terras.

(AFP)