Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 04 Agosto |
São João Maria Vianney
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

O que convenceu uma blogueira ateia a se converter ao catolicismo?

Reprodução / Facebook Leah Libresco Sargeant

ACI Digital - publicado em 04/05/17

A história de vida de Santo Agostinho foi uma de suas inspirações

Leah Libresco Sargeant, que era uma conhecida blogueira ateia, se converteu em 2012 ao catolicismo depois de desafiar os seus leitores a apresentar uma resposta intelectualmente rigorosa e espiritualmente gratificante às suas perguntas sobre a vida.

Em uma recente entrevista ao jornal ‘National Catholic Register’, Sargeant explicou a sua motivação para se converter ao catolicismo e as mudanças que sentiu posteriormente.

“O que me persuadiu foi definitivamente a força que começou a ter a pergunta: Como chegamos a conhecer a verdade?”, disse Sargeant, que continua escrevendo em seu blog, mas a partir de uma perspectiva católica e, além disso, é editora colaboradora da revista católica ‘America’.

A blogueira sabia que a matemática funcionava de modo totalmente distinto da moralidade, “porque há coisas no mundo físico que são tão evidentes para nós que, obviamente, não requer nenhuma intervenção sobrenatural”, mas que são compreendidas por analogias físicas.

“A moralidade não funciona deste modo”, disse e se deu conta de que “a base da sua argumentação sobre a existência da ética era ainda mais frágil do que a da existência ou não da matemática”. “Então, a pergunta deve ser esta: De onde vem esse tipo de conhecimento já que não é algo que possa ir construindo a partir de blocos de construção que eu encontro ao meu redor?”.

Nos momentos de dúvida, Sargeant indicou que teve três proposições que não encaixavam bem: “(1) Que Deus não existia. (2) Que a moralidade não dependia dos seres humanos, não era algo feito, mas algo transcendente, fora de nós. (3) E que não parecia ter uma maneira de alcançar algo transcendente por conta própria”.

“Você não pode acreditar nas três ao mesmo tempo. Então, a qual dessas renunciar? A proposição pela qual eu tinha definitivamente mais certeza é que a moralidade era transcendente. Estava insegura da terceira, tentando encontrar uma forma de fazê-la. Eu continuava encontrando problemas. De qualquer modo, decidi renunciar a primeira proposição: Que não existe um Deus”, disse a ex-ateia.

Sargeant revelou que foi através de conversas com católicos e com amigos ortodoxos orientais que reconheceu “o Deus que estavam falando com o tipo de Deus que estava evadindo sem perceber”.

Antes da sua conversão, a também autora do livro ‘Arriving at Amen: Seven Catholic Prayers That Even I Can Offer’ (Chegando ao Amém: Sete orações católicas que inclusive eu posso oferecer), havia crescido em uma família que não era religiosa e foi educada com a ideia de que a religião era falsa.

“Muitos exemplos de religião que encontrei não foram convincentes”, disse.

Durante o seu processo de conversão, Sargeant assinalou que uma das coisas que fizeram com que o cristianismo “parecesse razoável” foi ler o livro ‘Mero Cristianismo’, de C.S. Lewis. Também começou a ler ‘Ortodoxia’, de G. K. Chesterton, e ‘Confissões’, de Santo Agostinho.

Este último foi o santo que ela escolheu para a sua confirmação: “Eu o escolhi como um santo da minha confirmação porque, de alguma maneira, ele teve um percurso parecido com o meu. Somos parecidos, pois ele também estava buscando a verdade e a buscou de uma maneira extrema”.

“E eu também tinha certo interesse no maniqueísmo, não por esse nome, mas no sentido de pensar que o mundo físico é inerentemente imoral e só o intelecto e o espírito são interessantes. Pensei que um santo padroeiro que compartilhava as minhas fraquezas seria útil”.

Finalmente, disse que uma das mudanças importantes na sua vida depois da sua conversão foi a oração, especialmente a do Santo Rosário, porque lhe permitia recitá-lo em qualquer momento e lugar, o que a ajudava a se concentrar.

“A própria Virgem Maria me deu uma maneira de rezar que é agradável a Deus. E é bom ter algo que sempre pode fazer por e com Deus sem estar se perguntando interiormente se você está indo bem”, concluiu.

(via ACI Digital)

Tags:
AteismoConversãoIgreja Católica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
5
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia