Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconCultura e Viagem
line break icon

Nepal: o topo do mundo se levanta depois do terremoto

UN Women-N. Shrestha-CC

Miriam Diez Bosch - publicado em 08/05/17

Como vão os nepaleses, dois anos depois?

Em 25 de abril de 2015, um grande terremoto abalou o Nepal. O país, reinando sobre o topo do mundo, viu-se em ruínas e escombros. O terremoto não apenas derrubou edifícios históricos e templos. Ele também destruiu completamente várias aldeias, que desapareceram ao lado da vida das milhares de pessoas que as habitavam. Dezessete dias depois da tragédia, outro terremoto destruiu o que sobrou. Dois anos se passaram desde então. O que aconteceu com o Nepal?

Luis Belvis é o cônsul geral do Nepal em Barcelona. Um especialista na área, ele visita o Nepal com frequência. Ele é fiel às suas montanhas e ao seu povo. Durante o terremoto, esteve encarregado de coordenar a participação de entidades sociais, empresas e indivíduos que quisessem contribuir, de uma forma ou de outra, com seu “grão de areia” para aliviar o sofrimento do povo nepalês. “As cicatrizes ainda estão curando”, diz ele. Há dois anos, toda ajuda era pouca. Mesmo hoje, qualquer ajuda é ainda bem-vinda.

“Uma vida você não pode recuperar”

“Aldeias inteiras desapareceram com centenas de habitantes nelas”, disse o cônsul à Aleteia. Muitas construções não eram bem construídas, e o terremoto de 7,8 graus facilmente as demoliu. “O país ainda está sendo reconstruído”. No entanto, além de reconstruir sua infraestrutura, o país precisa curar algumas feridas ainda mais profundas: mais de 10.000 pessoas morreram.

“Uma vida você não pode recuperar”, mas ao menos devemos trabalhar para que tenha uma nova casa, afirma o cônsul. Muitas famílias ainda estão se reinventando, depois de sofrer as perdas. “Há pessoas que deixaram a cidade naquele dia e não conseguiram encontrar nada ou ninguém quando voltaram”, acrescenta.

Vinte e quatro meses não são suficientes para voltar ao normal. No entanto, “o Nepal é um país otimista”, afirma Belvis. “Quando você os escuta e os entende, você se pergunta como teríamos reagido aqui. Tenho certeza de que teria sido bem diferente”.

De acordo com o cônsul, a espiritualidade da sociedade nepalesa leva todos a pensar mais nos outros do que em si mesmos. “Lembro-me do testemunho de dois nepaleses cegos que não ficaram parados e saíram para dar seu testemunho de esperança em uma estação de rádio”, explica ele. Belvis também observa que muitos templos budistas abriram suas portas e abrigaram pessoas que não tinham para onde ir.

“Os nepaleses sabem que não estão sozinhos”

Apesar do fato de o desastre já não estar nas manchetes de jornais ou capas de revistas como foi há dois anos, a ajuda ainda está chegando. “Existem vários projetos de organizações sem fins lucrativos que canalizam a ajuda e melhoram gradualmente tudo”. Agora, os geólogos estão planejando onde reconstruir as vilas perdidas, usando materiais antissísmicos. O cônsul salientou que “as pessoas têm sido muito generosas e muita ajuda tem chegado ao Nepal, sem parar. É assim que os nepaleses sabem que não estão sozinhos no mundo”.

Muitas das pessoas que estiveram envolvidas desde o primeiro momento têm laços afetivos com o país. Elas visitaram, têm amigos lá e juntam-se a eles com um grande compromisso pessoal. Da mesma forma, Belvis lembra que, no meio da crise, recebeu pessoas no consulado que não conheciam o Nepal, mas que ainda queriam oferecer seu trabalho.

Um renascimento, então, está acontecendo no Nepal. “A melhor maneira de ajudar o país é visitá-lo”, diz o cônsul. De fato, o turismo foi uma importante fonte de renda antes do terremoto e ocupou um lugar proeminente na economia nepalesa. Agora, por razões óbvias, o turismo tem diminuído. O consulado está incentivando a população nepalesa para retornar ao seu país para ajudar a reconstruí-lo. “Turismo significa trabalho e recursos para os nepaleses”, conclui.

Tags:
Mundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia