Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 01 Agosto |
home iconReligião
line break icon

A crítica ao aborto que causou 10 anos de inimizade entre o Vaticano e a Argentina

Reprodução

Sempre Família - publicado em 09/05/17

A Igreja, mais uma vez, se manteve fiel à sua essência

A crítica de um bispo à política do governo de Nestor Kirchner de promover o aborto e distribuir camisinhas em colégios resultou numa crise de 10 anos entre o governo da Argentina e a Santa Sé. A questão só foi resolvida agora, em março desse ano, sem que houvesse um Kirchner na presidência da Argentina.

No dia 28 de março, o papa Francisco nomeou um novo bispo para o ordinariato militar do país, cargo vago há uma década, desde que o bispo anterior, Antonio Juan Baseotto, foi rejeitado pelo governo de Nestor Kirchner.

Em 2005, o governo de Kirchner deu impulso explícito às tentativas de legalização do aborto e, por meio do ministério da Saúde, passou a distribuir preservativos em escolas públicas, inclusive naquelas em que estudavam crianças. O bispo Baseotto, então, mandou uma carta ao ministro da Saúde, Ginés Gonzáles García, criticando a decisão e citando até mesmo um trecho do Evangelho de Marcos que diz: “Aquele que escandalizar esses pequeninos que creem em mim, seria melhor que fosse lançado no mar com uma pedra de moinho amarrada no pescoço” (Mc 9, 42).

Kirchner ficou tão irritado com a opinião do bispo designado para os militares que impediu que lhe pagassem um salário.

Como retaliação pelo posicionamento, Kirchner decidiu quebrar um acordo estabelecido em 1992 entre a Argentina e a Santa Sé, que dizia que o salário do ordinário militar deveria ser pago pelo governo. O presidente alegou que o bispo havia feito apologia aos “voos da morte”, a técnica de assassinato característica dos anos da ditadura na Argentina, quando dissidentes eram jogados de aviões nas águas do Oceano Atlântico.

A Congregação para a Doutrina da Fé, então liderada pelo cardeal Joseph Ratzinger – que poucos meses depois seria eleito papa –, enviou uma carta de apoio a Baseotto e o Vaticano denunciou a quebra do acordo como um ataque à liberdade religiosa. A constituição argentina garante apoio do governo à fé católica.

O governo argumentou que Baseotto poderia continuar sendo bispo, mas não no exército. A Igreja ignorou a ordem de Kirchner e manteve o ordinário em seu posto por pouco mais de um ano, sem receber o salário do governo, até a sua renúncia ao completar 75 anos, como é de praxe no episcopado católico.

Com a saída de Baseotto, nenhum outro bispo foi nomeado para a função. O padre Pedro Candia ocupou provisoriamente a função de vigário geral, o que acabou perdurando por 10 anos, já que a situação permaneceu sem solução sob a presidência de Cristina Fernández de Kirchner, esposa de Nestor, morto em 2010. Só agora o presidente Mauricio Macri decidiu reverter a situação e voltar a cumprir o acordo com a Santa Sé, 15 meses depois de assumir a presidência.

Os mandatos do casal Kirchner se caracterizaram por tensões com a Igreja Católica. Nestor foi um dos poucos chefes de Estado do mundo a não comparecer ao funeral do papa João Paulo II, poucos meses depois do incidente com Baseotto. Além disso, devido às críticas que lhe fazia o então arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, deixou de comparecer à missa de ação de graças que o cardeal celebrava todo dia 25 de maio, o feriado nacional argentino. Só com a eleição de Bergoglio como papa, em 2013, Cristina buscou uma reaproximação.

O novo bispo para a função será  Santiago Olivera, até então bispo de Cruz del Eje.

(via Sempre Família)

Tags:
AbortoIgrejaPapa
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
2
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
3
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira rezou todos os dias às 3h...
4
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
5
David Arias
Reportagem local
Ex-satanista mexicano retorna à Igreja e testemunha: “O ter...
6
Claudio de Castro
Como salvar nossas almas nos últimos minutos antes da morte
7
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia