Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 11 Abril |
Santo Estanislau de Cracóvia
home iconEm foco
line break icon

A importância da religião na adolescência

Jason Osborne/Shutterstock

Vanderlei de Lima - Igor Precinoti - publicado em 15/05/17

Uma característica marcante dessa fase é a necessidade do indivíduo de fazer parte de um grupo

Adolescência é o nome dado à etapa do desenvolvimento humano que se situa entre a infância e a fase adulta. Segundo a Organização Mundial da Saúde, essa fase ocorre entre 10 e 19 anos de idade, e é um período marcado por diversas transformações corporais, hormonais e comportamentais.

A puberdade marca o início da adolescência, e é caracterizada por mudanças hormonais no corpo dos meninos e meninas e consequentes transformações físicas e biológicas. Durante a puberdade, surgem nos meninos os pelos, inicia-se o engrossamento da voz, o crescimento e o desenvolvimento muscular e dos órgãos genitais; nas meninas, as mudanças mais importantes são o começo da menstruação e o desenvolvimento das mamas e dos órgãos genitais.

Além das mudanças corporais, os hormônios e as transformações da autoimagem influenciam no comportamento e no humor dos adolescentes. Uma característica marcante dessa fase é a necessidade do indivíduo de fazer parte de um grupo: as amizades e a socialização são importantíssimas e muitos dos problemas e angústias que eles sofrem, decorre dessa necessidade de se sentir parte de um grupo.

Para fazer parte de um grupo, no entanto, o adolescente passa a escolher um modelo específico de roupa, a ouvir um estilo musical (por ex.: rock ou pop), e, para desespero de alguns pais, decide fazer tatuagens. Além disso, não é incomum que os adolescentes experimentem álcool e drogas ilícitas a fim de parecerem mais “legais” aos amigos.

Consequentemente, nessa necessidade de socialização, o contato com pais e familiares, aos poucos, vai sendo substituído por pessoas externas, porém, apesar desse distanciamento, a família ainda tem papel importante no processo de formação da personalidade. Por isso, é necessário que um canal de diálogo esteja sempre aberto entre o adolescente e os pais. Vale ressaltar que valores familiares ensinados desde a infância influenciarão diretamente na construção da identidade do rapaz ou da moça e isso irá refletir na sua personalidade futura, nas suas escolhas e tomadas de decisões.

Dentre os valores familiares, devem-se incluir fundamentos religiosos. Estudos demonstram que os adolescentes com maior religiosidade apresentam comportamentos mais saudáveis, além de melhores índices de saúde física e mental, em comparação com aqueles que não são religiosos. Em 2006, o Journal of Adolescent Health publicou um artigo avaliando o resultado de diversas pesquisas que estudaram o tema e os dados encontrados foram surpreendentes.

No âmbito comportamental, os de maiores vínculos religiosos se expuseram a menores situações de risco, como, por exemplo, menores índices de consumo de álcool e de uso de maconha. No campo da saúde mental, os resultados se mostraram ainda mais interessantes: a religião, ao fornecer uma compreensão e significado na vida dos adolescentes, estava diretamente associada a níveis mais baixos de sintomas depressivos, além de estar conexa com menor risco de suicídio.

Esse mesmo resultado também se observou quando o adolescente considerava a si mesmo como religiosos e fazia parte ou obtinha apoio de sua comunidade religiosa. No âmbito da saúde física, os estudos demonstraram vários aspectos positivos da religiosidade, nos casos de doenças crônicas que exigem adesão ao tratamento, como, por exemplo, a asma os adolescentes de fé, atendiam às recomendações médicas com maior precisão e, com isso, obtinham melhores controle das doenças.

Nos casos de moléstias graves, como o câncer, a religiosidade se mostrou um instrumento auxiliar no enfrentamento da doença, sendo que a religião serviu para “dar sentido” a uma situação difícil ou para fornecer “enfrentamento construtivo” à doença.

Dessa forma podemos concluir que os pais, devem ter a certeza de que estão corretos em oferecer aos filhos a educação religiosa. Nunca devem acreditar que é melhor esperar eles crescerem para aí “decidirem por si” a religião a seguir. Ao privar a criança da espiritualidade, perde-se a oportunidade única de se plantar fundamentos e valores que farão muita diferença na qualidade de vida dos filhos.

Vanderlei de Lima é eremita na Diocese de Amparo; Igor Precinoti é médico, pós-graduado em Medicina Intensiva (UTI), especialista em Infectologia e doutorando em Clínica Médica pela USP.

Tags:
FamíliaFilhosJuventudeReligiãoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia