Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconEstilo de vida
line break icon

9 dicas para diminuir o "vício" das crianças pequenas no celular e tablet

NadyaEugene

Aleteia Brasil - publicado em 16/05/17

Se os adultos ficam viciados, o que não acontecerá com as crianças?

As novas tecnologias são de grande ajuda para muita gente, mas também podem interferir no desenvolvimento normal de funções como a atenção, a concentração e o autocontrole.

A maioria dos especialistas desaconselha o seu uso nos primeiros anos de vida por causa do alto risco de vício. Nos adultos esse efeito já está demonstrado e suspeita-se que o impacto nas crianças pequenas seja maior ainda, porque o seu cérebro está se desenvolvendo.

Se os seus filhos pequenos pedem o celular com frequência e se irritam quando você não o dá ou pega de volta, estas próximas dicas podem ajudar.

IMPORTANTE: Não adianta cortar de vez. A criança não vai entender por que ontem podia e hoje não pode mais – e vai experimentar uma espécie de síndrome de abstinência difícil de encarar. O fato é que não há maneira de “explicar” a uma criança pequena que ela não pode ficar viciada no dispositivo; o principal objetivo, portanto, é tornar a limitação de uso mais fácil para ela.

As dicas:

  1. Explique à criança que vamos usar menos o telefone. Nada de exageros do tipo “você nunca mais vai brincar com o telefone da mamãe ou do papai”.

  1. Para explicar isso, escolha um dia propício, de sol, em que se possa sair para passear. É mais difícil limitar o uso do tablet e do celular justamente num dia chuvoso ou frio em que se tenha que ficar dentro de casa.

  1. Evite, pelo menos inicialmente, os contextos em que a criança tendia a usar mais o dispositivo: por exemplo, se ela estava acostumada a comer na cozinha olhando o telefone, é melhor transferir a refeição para a sala, pois isso quebra a associação do ambiente com o aparelho. Além disso, nos dias que você definiu para que a criança brinque menos com os dispositivos eletrônicos, é bom sair para passear, visitar a vovó, brincar no pátio ou jardim…

  1. Evite o estímulo. Vai ser bem mais fácil manter a criança afastada do tablet e do celular se ela não enxergar esses aparelhos. Deixe-os fora da vista dela.

  1. Nos contextos em que ela tende a querer o celular ou tablet, ofereça alternativas incompatíveis com esses dispositivos, como desenhar, andar de triciclo, brincar de cavalinho nas costas do papai ou da mamãe…

  1. Leia historinhas (em livros, não em tablets…). Ler para as crianças é muito benéfico porque incentiva a imaginação e a comunicação, enriquecendo o seu vocabulário. Além disso, o contato com os livros desde a infância é um incentivo a continuarem lendo quando forem crescendo.

  1. Favoreça a busca de alternativas por parte da própria criança, perguntando, por exemplo, se ela prefere desenhar, brincar com as peças de montar, ouvir uma história, jogar bola, brincar com seus dinossauros ou suas bonecas, andar de triciclo, fazer uma cabana… A criança tende a apelar para os dispositivos eletrônicos nas horas em que está mais entediada.

  1. Reforce os momentos longe do celular e do tablet com afeto e proximidade! Poucas coisas ajudam tanto uma criança a se sentir bem e fortalecer a sua confiança quanto o afeto e as brincadeiras com seus pais. Associar os momentos sem celular e sem tablet com experiências de carinho e proximidade dos pais ajuda a reduzir a “dependência” dos eletrônicos.

  1. Não castigue. O mais eficaz é ser paciente diante da frustração e da irritação das crianças ao serem contrariadas e ajudá-las a superar esses sentimentos. Elas precisam de grandes doses de amor, carinho e qualidade de tempo compartilhado para interiorizar as novas normas e limites.

Sim, é difícil preparar a comida ou esperar o pediatra sem recorrer ao celular para distrair a criança, mas limitar essa dependência é um esforço que vale muito a pena: o momento “complicado” de hoje resultará em mais capacidade de concentração, paciência e afeto no futuro.

Além disso, estabelecer limites é mais complicado nas primeiras vezes, mas, depois de pouco tempo, a criança já está feliz com outras brincadeiras mais benéficas para o seu desenvolvimento.

_______

Adaptado de original em espanhol escrito por Álvaro Bilbao

Tags:
Filhostecnologia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia