Aleteia

Sacerdote sequestrado em abril morre devido aos maus tratos que sofreu

Twitter
Adolphe Ntahondereye
Compartilhar
Comentar

O pe. Adolphe foi raptado em Burundi e passou 17 dias de horror no cativeiro

O pe. Adolphe Ntahondereye, vigário da paróquia São Francisco Xavier, em Gatumba, no oeste de Burundi, faleceu neste último dia 11 de maio em decorrência dos maus tratos sofridos durante um sequestro.

O pároco da localidade africana, próxima da fronteira com a República Democrática do Congo, tinha sido libertado fazia duas semanas. Os efeitos do horror que teve de enfrentar foram devastadores para a sua saúde já frágil.

Segundo o arcebispo dom Ngoyagoye Evariste, da capital Bujumbura, o pároco permanecia hospitalizado desde a sua libertação e “faleceu devido aos maus tratos que agravaram o seu precário estado de saúde”.

O pe. Ntahondereye tinha sido sequestrado no dia 9 de abril. O veículo em que ele viajava com mais três pessoas foi interceptado por um grupo de homens armados em uma ponte sobre o rio Ruzizi.

Um dos reféns foi o músico Mathias Mijuriro, da orquestra nacional Nakaranga. De acordo com o seu depoimento, o pe. Ntahondereye sofreu muito no cativeiro. Além da tensão e do ambiente de violência, os sequestradores obrigaram suas vítimas a percorrer longas distâncias a pé pelas montanhas do vizinho Congo. “Devido à tensão acumulada, ele mal podia caminhar. Até os sequestradores tiveram que segurá-lo. Se eu não estivesse acostumado a fazer todo dia a pé a rota Gatumba-Bujumbura, também não teria conseguido resistir”.

Leia também: 

Santiago Quemada

Arrepiante relato do padre franciscano Abuna Nirwan no Iraque: “O jihadista não conseguiu me degolar: ‘Quem é você? Eu não consigo mexer o facão!'”

Compartilhar
Comentar
Temas deste artigo:
africasacerdotessequestros
Boletim
Receba Aleteia todo dia