Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

A santa que deixa um caminho luminoso num lago italiano todos os anos

Shutterstock-wjarek
Saint Mustiola
Compartilhar

Na noite de 2 para 3 de abril, um rastro dourado misterioso atravessa o lago de Chiusi

Todos os anos, na noite de 2 para 3 de abril, um rastro luminoso percorre o lago da cidade italiana de Chiusi (ndr: pronuncia-se “Kiúzi”), na Toscana, recordando a passagem milagrosa de Santa Mustiola.

A jovem e bela nobre romana era sobrinha do imperador Cláudio II e tinha 15 anos de idade quando decidiu abraçar a fé cristã. Mustiola passou a levar uma vida bastante austera e a evitar todo tipo de festa.

Suspeitando que a sobrinha tivesse abraçado essa religião que ele tanto detestava, o imperador a interrogou e ela respondeu com clareza: “Sim, sou feliz de ser cristã”. Enfurecido, o tio mandou prendê-la na hora.

Naquela mesma noite, enquanto a jovem já presa rezava, uma grande luz a iluminou e uma voz suave lhe disse: “Vai, Mustiola, a Chiusi. Prega o meu evangelho e batiza em meu nome”. Ela perguntou quem era e a voz respondeu: “Sou eu, aquele Jesus a quem tu amas”. Tremendo, ela se levantou. As correntes que a atavam se romperam, a porta se abriu e ela escapou no meio da noite.

Quando soube da fuga, o imperador mandou um grupo de soldados em seu encalço.

Mustiola passou algum tempo evangelizando e ajudando as pessoas em Chiusi, alimentando-se do que ganhava das pessoas e bebendo a água dos riachos. Um dia, descansando à beira do lago, ela ouviu o galope dos cavalos e os gritos dos soldados romanos que a tinham achado.

Assustada, a jovem se ajoelhou e orou intensamente ao Senhor. Um anjo lhe ordenou tirar o manto azul, estendê-lo no lago e subir nele. Obedecendo, ela atravessou o lago e foi deixando à sua passagem um rastro luminoso.

Os soldados não conseguiram segui-la: seus cavalos resistiam a entrar no lago. Era o amanhecer de 3 de abril de 273. Desde então, todas as noites de 2 para 3 de abril, é possível ver no lago o misterioso rastro dourada que recorda a travessia da santa.

© Sally yang

Passado algum tempo, os soldados sob as ordens de Aureliano conseguiram recapturá-la, mas ela não teve medo de afirmar novamente a sua fé até morrer por Cristo: Santa Mustiola foi martirizada a golpes de açoite com pontas de ferro.

Suas relíquias foram guardadas nas catacumbas que trazem seu nome. No ano 700, foram levadas à catedral de Chiusi em uma urna e até hoje podem lá ser veneradas.

© Art Anderson

Outra lenda conta que a santa obteve a posse da Santa Aliança Nupcial de José e Maria, presenteada pelo seu noivo Lúcio, a quem Aureliano também mandou matar.

© Fm2001

Santa Mustiola é a principal padroeira de Chiusi. Em seu dia, 3 de julho, a cidade celebra uma grande festa em sua memória. O vencedor do “Palio delle Torri”, uma das tradições dessa data, recebe a honra de defender as relíquias da santa durante todo o ano.