Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Bispo decreta: todo padre nesta diocese deve usar batina!

Dom Aristide Gonsallo
Compartilhar

“…Testemunho público da sua identidade e do seu especial pertencimento a Deus”

Dom Aristide Gonsallo é o bispo de Porto-Novo, a capital do Benim, país da costa ocidental africana. O prelado emitiu recentemente um decreto para determinar que todos os clérigos daquela diocese devem passar a usar a batina como traje eclesiástico habitual.

O documento recorda que a fé madura e sólida, como precioso dom de Deus aos homens, deve ser professada e também manifestada mediante as obras de caridade e de evangelização. A partir desta consideração, dom Aristide explica a importância do testemunho sacerdotal, que deve ser dado pelos padres mediante as obras e também por meio dos sinais visíveis do seu ministério, o que inclui o distintivo eclesiástico.

O trecho do decreto que fala da batina é o seguinte:

Em conformidade com as disposições dos cânones 284 e 669 do vigente Código de Direito Canônico, eu decreto:

1. O traje eclesiástico normal de qualquer clérigo (diocesano, religioso, membro de uma sociedade clerical de vida apostólica) na diocese de Porto-Novo é apenas a batina;

2. O uso de batina é obrigatório:

– para a celebração ou administração de todos os sacramentos, especialmente a Eucaristia;

– para a celebração de qualquer paraliturgia;

– em qualquer reunião de clérigos e em qualquer reunião com a participação do clero, quer no âmbito diocesano, quer no paroquial, como, por exemplo, as concelebrações da Missa e as reuniões de presbíteros;

– em lugares onde os fiéis solicitam do clérigo o exercício do ministério sacerdotal;

– nas visitas ao bispo, independentemente do momento e do motivo da visita;

– em qualquer lugar onde a identidade do sacerdote possa levantar dúvidas.

Com o desejo de que o uso da batina seja uma evidência no seio da comunidade cristã do testemunho público que todos os padres devem dar da sua própria identidade e do seu especial pertencimento a Deus, eu vos asseguro da minha comunhão orante em Jesus por Maria.

Veja também, a respeito da batina:

As 7 excelências da batina

Boletim
Receba Aleteia todo dia