Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 16 Junho |
Santos Julita e Ciro
home iconReligião
line break icon

É mesmo possível “vender” a alma ao diabo ou entregar a ele a alma de outros?

Satanismo

Creative Commons

Pe. Henry Vargas Holguín - Francisco Vêneto - publicado em 05/06/17

Horror dos horrores: jovem mãe sacrificou o próprio filho de 3 anos ao diabo no México. Essa criança inocente pode mesmo ser “recebida” pelo diabo?

Recebi a seguinte – e dolorosíssima – mensagem de um leitor, seguida de várias perguntas:

Faz alguns dias, na minha cidade de Monterrey, no México, uma jovem mulher sacrificou sem piedade o próprio filho de apenas 3 anos durante um ritual satânico realizado dentro da sua casa. Horror dos horrores: o pequeno indefeso foi queimado vivo. O que diz a Igreja sobre essas almas que, em nome de outras, são oferecidas ao demônio? Era uma criança! Acredito eu que, nessa idade, ele nem conhecia o pecado! O que acontece com ele? Vai ser condenado ou, pela justiça divina, devemos ter a certeza de que ela está na Casa de Deus? Podemos fazer algo por essas almas?

A famosa tragédia de Fausto vem da obra literária do alemão Goethe: um médico vende a alma ao diabo para conseguir poder e conhecimento. Fausto, o personagem, faz um pacto com o diabo vendendo-lhe corpo e alma para obter prazeres e poderes durante alguns anos. Aceitando o trato, o diabo concede ao Dr. Fausto o gozo dos prazeres do pecado. Seu destino parece selado. Quando o prazo se cumpre, porém, Fausto tenta frustrar os planos do diabo e enfrenta uma morte espantosa.

Essa história funciona como metáfora do preço do pecado, mas não tem embasamento bíblico nem teológico. A Sagrada Escritura não relata nenhum caso de pessoa que tenha literalmente “vendido” a alma a Satanás. Teológica e filosoficamente falando, tampouco é algo fundamentado.

Consideremos 5 coisas:

1 – Ninguém pode vender ao diabo a própria vida ou a vida alheia pela simples razão de que a vida não pertence a nós próprios. Todos pertencemos a Deus e somos d’Ele (Sal 8, 6-7; Ef 2, 10).

Quando se diz que uma pessoa vendeu a alma ao diabo, o que se quer dizer é que tal pessoa fez uma aposta cega em meios espiritualmente opostos a Deus a fim de tentar conseguir a qualquer custo os seus objetivos, sem se importar com a própria condenação. É uma figura metafórica. É possível optar livremente por afastar-se de Deus – e também é sempre possível decidir livremente converter-se e voltar para Ele. Deus SEMPRE perdoa: basta querermos com sinceridade. Por isso, não existe nenhum tipo de “contrato definitivo” com o diabo (o que não quer dizer que “valha a pena” tentar enganá-lo, pois brincar com a própria salvação é, no mínimo, muito arriscado). O diabo simplesmente não tem qualquer possibilidade de “exigir” que Deus lhe ceda uma alma quando essa alma deseja sinceramente voltar para Deus – ou quando essa alma jamais optou por se afastar de Deus, como é o caso da criança inocente que foi sacrificada de modo covarde e absurdo. Essa criança é de Deus. A mãe dela não tem qualquer “autoridade” para dá-la ao diabo. A mãe foi apenas mais uma estúpida vítima de um engano pavoroso e cometeu um crime brutal ao ceder a tamanho engano.

Aliás, assim como no caso da alma, também são perfeitamente sem sentido as afirmações de quem acha que tem controle absoluto sobre o próprio corpo. Há muita gente que, insensatamente, afirma coisas como “O corpo é meu e eu posso fazer com ele tudo o que quiser”, ou “Eu tenho direito de decidir o que quiser sobre o meu corpo”. Goste-se ou não, o seguinte fato é objetivo: não temos “poder” absoluto sobre nós mesmos. Para começar, não fomos nós que nos criamos. Igualmente, não temos como determinar de modo absoluto o nosso fim, nem mesmo quando, por desgraça, cometemos suicídio: não temos como afirmar que este é o “fim”, já que, ainda que duvidemos da eternidade, não temos como provar que ela não existe. Pela fé, sabemos que fomos criados e que somos chamados a administrar a vida que Deus nos deu. Até podemos cometer estupidezes com o nosso corpo e com a nossa alma, pois Deus respeita a nossa liberdade inclusive quando a usamos mal: isso não significa, porém, que esse mau uso da liberdade vá nos fazer mais felizes; muito pelo contrário: ao contrariarmos a nossa natureza, nos afastamos da nossa realização, que pressupõe a nossa integração com a nossa natureza. Mesmo quem não acredita em Deus e na alma pode enxergar, se tiver o mínimo do bom senso, que, na tarefa de administrar a nossa própria vida, encontramos evidentes limites naturais para aquilo que podemos ou não podemos fazer. Toda vez que tentamos derrubar esses limites naturais estamos apenas sendo estúpidos, não livres, e enfrentamos consequências físicas, psíquicas e espirituais.

2 – Embora pertençamos a Deus, Ele não nos obriga a ficar do Seu lado. A parábola do pai misericordioso e do seu filho pródigo (Lc 15,11-22) nos confirma que, muito a seu pesar, o pai respeita a liberdade do filho mesmo quando ele decide ir embora. Se optamos conscientemente por nos afastar do Pai, Ele acata a nossa decisão mesmo sofrendo por saber que estamos apenas rumando para a infelicidade. Cristo nos libertou para sermos livres do pecado (Gl 5, 1), não para nos enganarmos achando que a liberdade equivale a sermos escravos das nossas próprias paixões ilusórias. A liberdade nos permite fazer escolhas: não garante, porém, que as nossas escolhas sejam as melhores. O verdadeiro e pleno uso da liberdade consiste em escolher o Bem apesar de podermos rejeitá-lo.

3 – Falando concretamente do bebê assassinado pela própria mãe em suposta oferta ao diabo, esse bebê certamente não terá um destino de condenação. Essa criança pertence a Deus, seu Criador. A mãe, nesse ato pavoroso de demência, não tinha qualquer possibilidade, como já dissemos, de oferecê-lo ao diabo. Mesmo que o menino não tivesse recebido o sacramento do batismo, ele tem um luminoso caminho de salvação: “O Espírito Santo oferece a todos a possibilidade de ser associados, de um modo que Deus conhece, ao mistério pascal” (Gaudium et Spes, 22).

4 – Não podemos oferecer a ninguém o que não nos pertence. Até mesmo as ofertas a Deus só podem ser por Ele recebidas se forem conformes à Sua vontade. Deus não aceita o mal nem sequer em Seu nome.

5 – Finalmente, recordemos que o poder de Satanás é limitado pela vontade de Deus (Jó 1, 10-12; 1 Co 10, 13) e que Ele nos dá todos os meios para nos defendermos dos ataques do diabo (Ef 6, 11-12). Deus respeita a nossa liberdade de escolha, mas não cessa de nos chamar para Si.

Tags:
DemônioliberdadeMisericórdiasalvacaosatanismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY GIRL
Mathilde de Robien
12 nomes de meninas cujo significado é ligado a Deus
2
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
3
POPE FRANCIS - PENTECOST MASS - SUNDAY
Comunidade Shalom
Depois da Comunhão, o que (e por quem) é mais aconselhável rezar?
4
Reportagem local
Poderoso filme de 1 minuto sobre casamento rende prêmio a cineast...
5
Reportagem local
Papa Francisco explica quais são os piores inimigos da oração
6
PASSION OF THE CHRIST
Cerith Gardiner
7 provações e tribulações que Jim Caviezel enfrentou ao interpret...
7
Reportagem local
Você é madrinha ou padrinho? Sabe o que isso significa?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia