Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 17 Abril |
Aleteia logo
Em foco
separateurCreated with Sketch.

Pagador de promessas: pode-se vender e comprar orações?

nxoycozwd0lbh72usb-gdaxjifnnupezpocyc6m-qqsicx1hjaq9btsxmm03_uwjdidbu-qo_yimowmavsxfigpm39i9.jpg

Marinella Bandini - publicado em 07/06/17

Em Portugal, um homem que cobra para rezar reacendeu esta questão

De vez em quando, Carlos, um português, sai de casa e se coloca a caminho até Fátima. Mas ele não é qualquer peregrino. Ele faz a romaria “sob encomenda”, remontando ao antigo costume de realizar peregrinações no lugar de quem está impossibilitado de fazê-las.

Ele se define como “pagador de promessas” [sem nenhuma relação com o filme brasileiro de mesmo nome], pois cobra para fazer o “serviço”. Uma peregrinação completa, por exemplo, custa 2.500 euros.

Isso é lícito? A prática de fazer a peregrinação para os outros é aceita pela Igreja e muitos santuários preveem a expedição de certificados de peregrinação em nome de terceiros, desde que ele apresente a documentação da pessoa que fez a intenção e que estes documentos atestem a impossibilidade da pessoa realizar o caminho.

O que não está previsto é o pagamento da peregrinação, como se fosse uma “prestação de serviço”. O ponto para reflexão é: pode-se vender e comprar orações?

Assista ao vídeo e saiba o que pensa quem oferece este “serviço”:

Tags:
peregrinacao
Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia