Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
Santos Vardan e companheiros
home iconAtualidade
line break icon

EUA perdem terreno, enquanto talibãs avançam no Afeganistão

<p>(Novembro) Veículo da embaixada britânica alvo de um ataque suicida no Afeganistão</p>

Agências de Notícias - publicado em 13/06/17 - atualizado em 13/06/17

O chefe do Pentágono, Jim Mattis, alertou nesta terça-feira (13) ante legisladores que os talibãs estão avançando no Afeganistão, acrescentando que os Estados Unidos “não estão vencendo” a batalha neste país.

Os “talibãs tiveram um bom ano no ano passado e estão tendo um bom ano este ano”, declarou Mattis ao Comitê das Forças Armadas do Senado.

“Neste momento, acredito que o inimigo está avançando”, advertiu.

“Não estamos vencendo no Afeganistão. Vamos corrigir isso o mais rapidamente possível”, assegurou Mattis aos legisladores.

A avaliação de Mattis é feita quase 16 anos depois da invasão do Afeganistão liderada pelos Estados Unidos e em meio a uma guerra que continua matando tropas americanas, além de milhares de membros das forças locais e civis.

Os comandantes militares dos Estados Unidos vêm pressionando por uma nova estratégia que pode enviar milhares de soldados adicionais no Afeganistão para ajudar a treinar e para assessorar seus sócios afegãos.

Segundo a imprensa americana, Mattis está considerando pedir entre 3.000 e 5.000 soldados a mais dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). No Congresso, porém, o secretário foi lacônico sobre números.

Em fevereiro, o chefe das forças americanas e da Otan no Afeganistão, general John Nicholson, advertiu que precisa de “algumas milhares” de tropas a mais para reverter o que chamou de “estancamento”. O governo de Donald Trump ainda tem de se pronunciar sobre esse pedido de reforço.

Apesar da expectativa de que um anúncio sobre uma nova estratégia no Afeganistão é iminente, Mattis disse que isso não deve acontecer antes de meados de julho.

O presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, o republicano John McCain, manifestou sua “palpável” frustração.

“Vamos completar seis meses agora dessa administração e ainda não temos uma estratégia para o Afeganistão”, disse McCain, alegando que é difícil conseguir um pedido de orçamento para este caso sem saber qual é o plano.

“Sabemos qual foi a estratégia dos últimos oito anos: não perder. Isso não funcionou”, acrescentou.

Mattis reconheceu a dura realidade no terreno.

“Não estamos ganhando no Afeganistão nesse exato momento. Vamos corrigir isso o mais rápido possível”, prometeu aos congressistas.

O secretário da Defesa, que era comandante de combate da Marinha no Afeganistão no início da guerra, enfatizou que os Estados Unidos não devem se afastar desse país e sugeriu que uma força americana residual deve permanecer para ajudar o Exército afegão a manter uma linha de segurança.

Mattis considerou que esse efetivo poderá ajudar as forças afegãs a ganharem vantagem, se tiver autorização para se aproximar mais dos combates. Por enquanto, o papel dos militares dos Estados Unidos é, essencialmente, de assessores.

Na visão do secretário, os americanos poderiam ser autorizados a dar mais apoio aéreo e a aumentar seu “apoio de fogo” às forças afegãs.

Os talibãs estão na ofensiva no Afeganistão e assumiram a autoria de uma série de ataques sangrentos, sobretudo, contra bases e posições afegãs. Reivindicaram o ataque cometido no último sábado (10), o qual deixou três soldados americanos mortos, e um ferido, em Nangarhar, no leste do país.

Hoje, no Afeganistão, encontram-se estacionados cerca de 8.400 soldados americanos, além de pelo menos 5.000 militares dos aliados da Otan, atuando principalmente nas áreas de capacitação e assessoria.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
CONFESSION
Philip Kosloski
Pecados que a maioria dos padres não pode absolver
6
Cura d'Ars
Aleteia Brasil
São João Maria Vianney, o “santo burro” e sua respost...
7
BAPTISM
Reportagem local
Padrinhos de batismo e consagração: existe diferença entre eles?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia