Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ataque reivindicado pelo EI em mesquita de Cabul deixa quatro mortos

Soldados afegãos isolam área de Cabul após atentado contra um veículo da embaixada britânica na capital do país

Compartilhar

Um suicida detonou explosivos nesta quinta-feira em uma mesquita xiita lotada de Cabul, deixando quatro mortos e oito feridos, segundo autoridades, durante um Ramadã – mês de jejum sagrado dos muçulmanos – particularmente sangrento na capital afegã.

O suicida se imolou na cozinha da mesquita, depois que a polícia o impediu de entrar no prédio principal, de acordo com o Ministério do Interior, segundo o qual testemunhas ouviram disparos na região.

“Ataque terrorista na mesquita de Al-Zahra, oeste de Cabul. Forças especiais foram enviadas ao local”, indicou o porta-voz do ministério, Najib Danish, no Twitter.

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI), que já havia investido várias vezes contra a minoria xiita em Cabul, reivindicou a autoria do ataque através de sua agência de propaganda, Amaq.

A capital afegã ainda está abalada com o atentado de 31 de maio, em que um caminhão-bomba matou 150 pessoas e deixou dezenas de feridos em um bairro diplomático, no pior ataque registrado em Cabul desde 2001.

O atentado provocou a ira dos moradores da capital, que saíram por vários dias em manifestações, que resultaram em incidentes em 2 de junho, que deixaram quatro mortos. Outras sete vítimas foram alvo de disparos durante o funeral de um dos manifestantes.

Desde estes incidentes, grupos de opositores do regime estão acampados em seis pontos da capital para exigir a renúncia do governo.

Para tentar abafar os protestos, o Executivo afegão destituiu no último domingo duas autoridades dos serviços de segurança, entre elas o chefe da polícia de Cabul.

O surgimento do EI alimentou os confrontos entre sunitas e xiitas no Afeganistão, país de maioria sunita que, até agora, estava livre deste tipo de conflito interconfessional.

(AFP)