Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Religião

Desafios de uma evangelização na era pós-digital

© nmedia / Shutterstock

Canção Nova - publicado em 16/06/17

É preciso que o evangelizador on-line desenvolva habilidades que o capacitem a enfrentar os perigos e desafios deste universo digital

Vivemos na era pós-digital! A internet não é novidade, já não tememos tanto o mundo virtual, e todos nós, de alguma maneira, estamos nos acostumando a viver no espaço real (físico e analógico) e no mundo virtual (digital). Vivemos lá e cá, entre dois universos que não se excluem necessariamente, complementam-se com frequência e demandam de nós todo empenho na realização daquilo que somos e acreditamos.

São Paulo diz: “Ai de mim se não anunciar o evangelho!”. Essa verdade se realiza tanto aqui como ali, tanto no espaço presencial quanto no remoto. No entanto, se o mundo digital tem suas múltiplas características próprias, suas próprias leis, é possível que um evangelizador on-line precise desenvolver virtudes e habilidades que o capacite a melhor enfrentar os perigos e desafios deste universo.

Em seu livro “Marketing e Comunicação na era pós-digital”, o novo presidente do grupo Abril desde 2016, Walter Longo, alerta para aspectos específicos do mundo digital: efemeridade, mutuabilidade, multiplicidade, sincronicidade, complexidade, tensionalidade. Ciente de que o anúncio querigmático não é uma campanha de marketing, propomo-nos, neste texto, investigar aquilo que podemos aproximar ou confrontar com a experiência evangelizadora.

Efemeridade

A efemeridade afirmada por Longo diz respeito sobre a velocidade com que tudo “envelhece” no universo digital. Não são apenas as ferramentas, mas também as mídias. Um evangelizador eficiente, nesta era pós-digital, precisa se antecipar, ver na frente as tendências e ser capaz de mudar, de adequar seu formato e conteúdo para melhor comunicar a sua mensagem. “Pensar rápido!” é a palavra de ordem. A velha máxima “em time que está ganhando não se mexe” não tem mais lugar. O evangelizador on-line precisa ser ágil e atualizar constantemente seu discurso, sob o risco de oferecer comida fria a quem está precisando do seu alimento espiritual.

Mutualidade

A mutualidade é a conexão entre as coisas, as máquinas, os dispositivos. Nosso celular comanda por aplicativos, nossa agenda, nossos e-mails, nossa conta bancária, nossas redes sociais e, pasmem, até a nossa prática meditativa (exemplo? O app Headspace). Podemos acessar tudo o que se relaciona a nossa vida e nosso cotidiano.

Para melhor maximizarmos os efeitos da comunicação do anúncio evangélico, precisamos que o evangelizador entenda esse processo e como ele impacta nossa vida. A conexão entre todos os âmbitos da nossa vida gera uma quantidade de informação e dados (Big Data, Small Data…), os quais precisam ser interpretados para que se otimize nossa missão. Entender a métrica oferecida por redes sociais pode ser um bom ponto de partida para compreender com quem nos comunicamos: seus hábitos, seus interesses e rotina. Se Paulo, em Atenas, diante dos muitos deuses, soube identificar na estátua ao “deus desconhecido” uma oportunidade de anunciar o Cristo, em tempos atuais precisamos saber quais são os equivalentes a este “deus desconhecido” de agora. É preciso não só olhar os dados, mas aprender a interpretá-los, fazê-los gerarem fatos!

Multiplicidade

A multiplicidade: a antiga linearidade morreu. Hoje em dia, ao mesmo tempo que um jovem assiste a um filme no cinema com sua namorada, atualiza suas redes sociais em grupos de WhatsApp e faz uma busca no Google sobre o melhor lugar para levar sua acompanhante para jantar depois. Nossos ouvintes estão em muitos lugares e mudam-se (de mídia) com uma velocidade incrível. É preciso entender esta relação sem preconceitos, para que se possa dialogar de forma eficaz, conscientes das limitações que esse aspecto caótico e fragmentário pode trazer. Fica a pergunta: de que forma está fragmentação dificulta ou mesmo impossibilita de se falar de valores como unidade e integralidade?

Sincronicidade

A sincronicidade retoma o pensamento de que as pessoas (nesta era pós-digital) estão em muitos lugares ao mesmo tempo. No entendimento das métricas e dados já citados podemos afinar a nossa sensibilidade e compreender melhor os interesses e necessidades de quem nos escuta, de quem participa da audiência deste novo areópago digital. É preciso estar atento aos problemas reais e necessidades de quem nos escuta para que o anúncio evangélico tenha sincronismo com o cotidiano vivido da nossa audiência.

Complexidade

A complexidade é também um aspecto fundamental nos tempos atuais. Não há mais o número anônimo na audiência, pois a internet deu voz a todos os que são atingidos pela nossa mensagem. Eles podem concordar, discordar, agredir, reagir, apoiar etc. Essa complexidade faz nascer a necessidade de uma habilidade especial: a conexão com as múltiplas disciplinas. Não se precisa ter a resposta para tudo, mas é preciso ter uma compreensão do todo e não só das partes, juntar as peças do quebra-cabeça evangelizador e oferecer caminhos, textos e contextos possíveis e válidos para um anúncio mais efetivo.

Tensionalidade

Walter Longo fala, por último, na tensionalidade. Essa capacidade de não ser tão coeso, de inserir aspectos, muitas vezes plurais e contraditórios, gerando tensão, uma conexão emocional. Ele cita, por exemplo, o caso de Steve Jobs que era ao mesmo tempo carismático e com fama de carrasco. Gerando tensão e se destacando da multidão. Tentando traduzir em termos evangelizadores, talvez possamos entender que a proximidade que o universo digital nos proporcionou, faz surgir uma necessidade vital do ser humano: se reconhecer, na sua limitação e pluralidade, de forma igual, sincera e verdadeira naqueles que nos ofertam um caminho espiritual.

Evangelização não é marketing. Não de um jeito institucional de se pensar. Assim como o Papa Francisco já afirmou que a Igreja não é uma ONG. Mas a reflexão a partir de pontos de vistas diferentes pode nos sugerir outras possibilidades de fazer aquilo que nos é uma imposição do amor: levar o Cristo a todos!

Por Augusto Cézar (Músico da banda DOM, compositor, escritor de 3 livros, professor e palestrante) via Canção Nova 

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
evangelizacaoInternet
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia