Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório
Atualidade

Bombeiros combatem incêndio florestal que deixou 64 mortos em Portugal

© Chris Schwarz CC

Les pompiers mobilisés pour combattre l'incendie avec l'appui d'avions et d'hélicoptères ne parviennent pas à le maîtriser

Agências de Notícias - publicado em 19/06/17

Um contingente de mais de mil bombeiros continuava tentando controlar, nesta segunda-feira à noite, o gigantesco incêndio florestal na região central de Portugal, que custou a vida de pelo menos 64 pessoas e deixou 135 feridos.

Após um fim de semana com temperaturas de 40º C em várias regiões do país, o clima ficou um pouco mais ameno, mas o incêndio, declarado no sábado à tarde em Pedrógão Grande, prosseguia na direção das regiões vizinhas de Castelo Branco e Coimbra.

Segundo a Defesa Civil, 70% do incêndio estava controlado, mas repórteres da AFP comprovaram que na noite de segunda-feira as chamas ainda arrasavam as colinas de Pedrógão Grande, onde o incêndio começou no sábado.

Os recursos mobilizados continuavam sendo praticamente os mesmos, com mais de 1.150 bombeiros e de 700 veículos, além de 11 aviões. “O risco de incêndio é máximo no centro”, alertou a Defesa Civil.

“Portugal chora por Pedrógão Grande” ou “Em memória das vítimas” eram algumas das manchetes dos jornais. “Como isto pode ter acontecido?” – perguntava o Jornal de Notícias. “Por quê?” – questionava o Público.

“Nossa dor é imensa, assim como nossa solidariedade com as famílias da tragédia”, declarou no domingo à noite o presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, ainda emocionado com a maior tragédia da história recente de Portugal.

“Temos uma sensação de injustiça, pois a tragédia afetou os portugueses dos quais se fala pouco, de uma zona rural isolada”, completou.

O balanço de mortos subiu para 64, além 135 feridos. Mas as autoridades não descartam a possibilidade de encontrar outras vítimas nas áreas devastadas pelas chamas.

Nas colinas situadas entre as localidades de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, que 24 horas antes das chamas estavam repletas de eucaliptos e pinheiros, a devastação era total.

– “O fim do mundo” –

De acordo com as autoridades, muitas vítimas morreram em seus veículos quando se viram cercadas pelas chamas no momento em que passavam pela rodovia nacional 236, que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira de Pera, no sábado.

“Era verdadeiramente um inferno. Pensei que o fim do mundo havia chegado. Não acreditei que sairia viva”, contou à televisão portuguesa Maria de Fátima Nunes, que foi resgatada.

Corpos foram encontrados em casas localizadas em áreas isoladas. Pelo menos três povoados próximos a Pedrógão Grande foram evacuados.

A maior parte das vítimas identificadas “morreu em suas casas, que não deixaram a tempo”, destacou o primeiro-ministro, Antônio Costa, que pediu à população que respeite as ordens de evacuação.

“Se deixar a minha casa, vai queimar tudo, pois não temos ninguém que nos ajude”, declarou Fernando Pais, um agricultor de 50 anos que morava com a mulher e o filho em Trespostos, perto da localidade de Campelo.

A família Pais não abandonou a sua casa e há mais de 24 horas luta sozinha contra as chamas com uma simples mangueira.

“Conhecia várias vítimas. Uma amiga perdeu a mãe e a filha de quatro anos porque não conseguiu retirá-las da parte de trás do carro”, disse Isabel Ferreira, de 62 anos, habitante da região.

– Reforços europeus –

A polícia judicial “pôde determinar que uma tempestade seca provocou o incêndio”, descartando a possibilidade criminal, após encontrar uma árvore atingida por um raio.

Quatro aviões de combate Canadair espanhóis e outros três franceses chegaram no domingo para ajudar os bombeiros portugueses. Nesta segunda-feira, chegarão dois aviões espanhóis e dois italianos, assim como reforços terrestres, no âmbito do mecanismo europeu de proteção civil, ativado a pedido de Lisboa.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, prometeu a Lisboa “toda a ajuda necessária” para combater o fogo.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia