Aleteia

Rosário de balas de chumbinho: literalmente, uma arma contra o ódio na Venezuela

CC
Compartilhar
Comentar

Uma jovem recolhe os projetis lançados pela repressão venezuelana e os transforma em terços

As balas de chumbinho, conforme o tipo de arma e a distância do disparo, podem causar desde queimaduras de primeiro grau até fraturas, passando por lesões penetrantes (quando a bala se aloja no corpo) e lesões perfurantes (quando atravessa um órgão). As cicatrizes causadas por impactos profundos desses projetis só podem ser eliminadas com cirurgia plástica – e os impactos quase sempre são profundos. Além disso, essas balas também podem, evidentemente, causar a morte.

Nas cidades venezuelanas infernizadas pelos efeitos devastadores da loucura ideológica, dezenas de feridos por balas de chumbinho chegam todos os dias aos centros de atendimento de saúde. Essas balas são disparadas a granel – e estão entre os tipos de munição mais “suaves” que as “forças da ordem” do governo da Venezuela têm utilizado para reprimir os massivos protestos que agitam o país há meses.

As feridas podem demorar meses para fechar. Em alguns casos, a vítima sofre sérias infecções. Apesar disso, boa parte dos feridos da Venezuela mal recebe os cuidados básicos e já volta às ruas para não deixar os protestos esmorecerem.

Neste cenário incendiado pela insanidade ideológica do governo de Nicolás Maduro, uma jovem teve uma iniciativa que, literalmente, dispara um apelo às consciências humanas e um clamor a Nossa Senhora por ajuda e proteção: Adriana López recolhe milhares de projetis disparados e abandonados pelas ruas e praças da Venezuela e os transforma em contas de rosários.

Cada uma dessas balas pode ser um amigo, um familiar, um compatriota ferido, caído, deformado, morto.

A proposta é fazer tantos rosários quantos possível e distribuí-los à população como “arma espiritual” que transforma o mal e o ódio em oração e caridade cristã, pedindo a Nossa Senhora que interceda pelo resgate da paz e da civilização numa Venezuela martirizada.

O seguinte vídeo, em espanhol, fala desta iniciativa:

Boletim
Receba Aleteia todo dia