Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

Iraque anuncia retomada de mesquita emblemática e ‘fim’ do califado do EI

kirkuk

© Hussein Kerkuk

Agências de Notícias - publicado em 29/06/17

As forças iraquianas anunciaram nesta quinta-feira que retomaram a emblemática mesquita de Mossul diante da qual o líder do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, fez sua única aparição pública e proclamou seu “califado” em julho de 2014.

Para o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi, a reconquista marca o “fim do falso Estado do Daesh”, utilizando um acrônimo em árabe do EI.

De acordo com um porta-voz militar americano, a libertação total da cidade acontecerá em questão de dias.

“Não posso façar de um cronograma para isso, mas percebo que a reconquista está mais próxima de dias do que de uma semana ou semanas”, afirmou o porta-voz da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, Ryan Dillon.

O anúncio da tomada da mesquita foi feito pelo Exército iraquiano, que indicou que “as forças de contraterrorismo assumiram o controle da mesquita Al-Nuri e (do minarete) Hadba”.

O canal estatal Iraqiya anunciou, por sua vez, a “queda do Estado fictício” – brincando com o nome dado pelo EI ao seu pseudo-“Estado do califado” autoproclamado nos territórios sob seu controle no Iraque e na Síria.

Na semana passada, várias explosões provocadas pelos jihadistas destruíram o famoso minarete da mesquita conhecido como “Hadba”.

Localizados na Cidade Velha de Mossul, Al-Nuri e Hadba eram monumentos emblemáticos da cidade. Também ganharam uma importância particular sob o reinado o EI, que tomou a cidade em 2014.

Foi nesta mesquita que Al-Baghdadi apareceu pouco depois da conquista da cidade, chamando em uma oração os muçulmanos a obedecê-lo.

O minarete inclinado, cuja construção terminou em 1172, é a figura impressa nas notas de 10.000 dinars iraquianos. Os extremistas haviam hasteado sua bandeira no seu topo, a 45 m de altura.

O primeiro-ministro iraquiano classificou a destruição do local como uma “declaração oficial de derrota” por parte do EI, no momento em que as tropas iraquianas avançam na Cidade Antiga de Mossul, último reduto dos jihadistas, e dão mais um passo rumo ao controle total da segunda maior cidade do Iraque.

Em Mossul, o grupo extremista sunita ainda controla uma pequena parte da Cidade Antiga, mas as ruas estreitas e a presença de muitos civis fazem o avanço das forças iraquianas extremamente complicado, enquanto os combatentes do EI resistem fortemente.

Quase 100.000 civis são “mantidos como escudos humanos” na Cidade Antiga, segundo a ONU.

Três anos depois de tomar Mossul, o paradeiro de Baghdadi continua desconhecido, enquanto que o EI perdeu a maior parte dos territórios que ocupava como resultado de uma ofensiva lançada em junho de 2014.

Em 16 de junho, o exército russo indicou em um comunicado que provavelmente havia matado o líder da organização jihadista durante um ataque aéreo realizado no final de maio contra uma reunião de líderes do EI perto Raqa, principal reduto do grupo no norte da Síria.

A coalizão internacional liderada por Washington afirmou não ser capaz de confirmar o anúncio de Moscou.

Hoje, o “califado” sofre com as ofensivas militares no Iraque e na Síria, mas o grupo consegue organizar ataques sangrentos em todo o mundo.

De acordo com um estudo do escritório de análise IHS Markit divulgado nesta quinta-feira, o EI perdeu em três anos 60% do território que havia conquistado e 80% de suas receitas.

O território do “califado” passou de 90.000 km2 em janeiro de 2015 para 36.200 km2 em junho de 2017, aponta a empresa com sede em Londres.

“A ascensão e queda do EI se caracteriza por uma rápida expansão seguida por um declínio constante. Três anos após a sua proclamação, é evidente que o projeto de governança do califado fracassou”, observa Columb Strack, um especialista em Oriente Médio do IHS Markit.

“O resto do ‘califado’ deve desintegrar-se antes do final do ano e o seu projeto será reduzido a uma série de áreas urbanas isoladas que deverão ser reconquistadas ao longo do ano de 2018”, acrescenta.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia