Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Pastor protestante, família e seguidores se convertem ao catolicismo

Pastor pentecostal Joshua Mangels se converte à Igreja Católica
Joshua Mangels
Compartilhar

Eles descobriram o tesouro da Igreja graças à descoberta da verdadeira história do cristianismo primitivo

Um pastor pentecostal, sua família e um grupo de fiéis deixaram a igreja evangélica Assembleia de Deus do Estado norte-americano do Arizona e se converteram ao catolicismo.

Eles agora seguem o rito bizantino como membros de uma das 24 igrejas “sui iuris” que formam a Igreja Católica. Parênteses: muitos católicos de rito latino desconhecem, mas é isso mesmo! A Igreja Católica é formada por 24 igrejas “sui iuris”, conforme explicamos melhor no artigo que você pode ler aqui. Embora sejam autônomas em relação ao rito e à disciplina, todas essas igrejas abraçam os mesmos dogmas de fé da Igreja Católica e obedecem ao Vigário de Cristo, o Papa. Em outras palavras, elas estão em plena comunhão com a Igreja.

Você sabia que a Igreja Católica é constituída por 24 Igrejas autônomas?

Voltando ao caso específico do pastor pentecostal: de acordo com o relato divulgado pelo National Catholic Register, o pastor Joshua Mangels sentiu no coração o desejo de pertencer à Igreja Católica, renunciou ao seu cargo na Assembleia de Deus em setembro de 2016 e entrou no catecumenato em uma paróquia católica bizantina da cidade de Tucson, acompanhado da família e de vários seguidores.

O pastor comentou que, embora o seu ministério na igreja pentecostal o encantasse, em dado momento começou a se sentir “frustrado com os vaivéns da doutrina, as modas e as pressões da comercialização da igreja”.

Ao voltar para casa depois de uma decepcionante conferência de pastores, Joshua começou a escutar um apostolado católico que um amigo tinha indicado. A pregação era sobre os pecados mortais, conta ele, que, embora não soubesse que o orador era católico, ficou impressionado.

“Era como um gole de água fresca. Escutei durante duas horas e meia enquanto voltava para casa. Quando cheguei, a minha esposa me perguntou como tinha sido a conferência e eu respondi: ‘Foi terrível, mas você tem que ouvir isto’”.

Entre as coisas que escutou do pregador católico, havia informações sobre os Padres de Igreja e sobre parte da sua história que Joshua nunca tinha ouvido antes.

Tempos depois, ele começou a prestar atenção em outros pastores da Assembleia de Deus que tinham ingressado na Igreja Católica ao explorarem os ensinamentos cristãos dos primeiros séculos.

“Eu li os Padres da Igreja e foi então que os sacramentos começaram a ter significado para mim. Comecei a ver como a Eucaristia era central para a Igreja primitiva. Se a Eucaristia foi ordenada por Cristo, eu quero receber o Senhor”.

Junto com a esposa Teresa, Joshua começou a ler constantemente sobre o catolicismo, até que o casal se deu conta de que, se seguisse nesse caminho, “era iminente” que perderiam o trabalho e a casa. “Mas acabamos falando noite após noite sobre os Padres, os sacramentos, a Igreja primitiva e tudo mais”, relata ele.

Em julho de 2016, Joshua começou a ensinar à sua congregação sobre a Igreja primitiva, passando por São Policarpo, São Justino Mártir, a Didaqué e outras partes do cristianismo primitivo. Para vários jovens da congregação, essas lições levaram ao discernimento que acabou por uni-los à Igreja Católica. Joshua comenta:

“Eu adorava pastorear, adorava as pregações. Estava pregando em reuniões de campo e avivamento, mas eu era católico de coração”.

Em setembro, ele contou à sua congregação que renunciaria ao cargo de pastor e entraria no catecumenato da Igreja Católica com a sua família.

Joshua Mangels - Twitter

A família Mangels, de fato, tinha decidido se converter ao catolicismo, mas não tinha decidido por onde começar. O organizador de um evento pró-vida do qual participaram sugeriu que eles falassem com o pe. Bob Rankin, pároco da Igreja Católica Bizantina de Santa Melânia. O padre conta:

“Eu tentava ensinar a ele como ser católico, mas o primeiro sacerdote que ele conhecia não pertencia ao rito romano. Então utilizei pacotes de açúcar em cima da mesa para explicar a teologia dogmática e a eclesiologia”.

O pe. Rankin explicou que, apesar das diferenças entre um estilo de culto pentecostal e a Divina Liturgia, “eles chegaram à Igreja correta pelo tipo de espiritualidade que tinham. Eles vêm desse fundo pentecostal e têm a experiência de conversão e de dar a vida a Cristo. Eles queriam uma liturgia demonstrativa e a liturgia oriental é enérgica, de adoração: é um chamado a experimentar a Deus, destinado a romper em lágrimas”.

Teresa Mangels afirma que teve uma experiência semelhante e se sentiu empolgada e feliz porque Cristo lhes “deu o Seu verdadeiro Corpo e Sangue”.

O pe. Rankin complementa o edificante relato publicado pelo National Catholic Register dizendo que os novos catecúmenos trouxeram “admirável zelo apostólico” à Igreja.

___________

Com informações da ACI Digital