Aleteia
Quinta-feira 01 Outubro |
São Bavão de Gand
Estilo de vida

Filhos responsáveis: 5 dicas para formá-los nesta virtude

Amanda Tipton Photography

LaFamilia.info | Jul 13, 2017

A formação na responsabilidade começa em casa e é fundamental para preparar os filhos para a vida real

Um dos maiores desafios dos pais é conseguir que seus filhos sejam responsáveis pelos seus atos e pertences, além de cumprir com certas obrigações, de acordo com sua idade. É indispensável, portanto, levar em consideração alguns princípios que podem ajudar os pais a alcançar este objetivo.

Primeiro: começar desde cedo

Os autores do livro "Como ensinar seus filhos a ser responsáveis" afirmam que as crianças que não têm deveres a cumprir no lar desde a primeira infância terão menos habilidade para organizar-se, traçar objetivos e realizar tarefas complexas ao longo da sua infância e adolescência.

A responsabilidade é uma das virtudes mais significativas no desenvolvimento humano. Graças a ela, a pessoa assume o controle da sua própria vida, mas, para chegar a isso, os pais devem incentivar a prática desta virtude em seus filhos desde os primeiros meses.

Por exemplo, desde pequenos, os filhos podem ser ensinados a guardar seus brinquedos; mais tarde, a organizar seu material escolar; depois, a roupa do dia seguinte, e assim por diante. À medida que a criança vai crescendo, é preciso transmitir-lhe a confiança suficiente para que desenvolva novas tarefas.

Assim, a responsabilidade não é adquirida de um dia para o outro; é um processo que irá se desenvolvendo durante toda a infância e a etapa escolar, até chegar à adolescência, na qual esta virtude será colocada à prova muitas vezes.

Segundo: estabelecer regras claras

Como em todos os âmbitos da vida, existem direitos e deveres; por isso, em casa também deve haver regras a serem respeitadas e cumpridas. Mas é preciso ser muito claros na hora de estabelecer estes limites.

Se os filhos não sabem exatamente o que seus pais esperam deles, ou não conhecem quais são os seus deveres, não aprenderão a ser responsáveis. Os pais não devem apenas estabelecer regras de acordo a idade de cada filho, mas também explicar-lhes quais são as consequências do seu cumprimento ou descumprimento.

Para tornar o assunto mais compreensível, sobretudo no começo, enquanto se adquire o hábito, uma boa estratégia é escrever os deveres e expô-los em algum lugar visível da casa, criando um sistema de estímulos – carinhas felizes, doces, entre outros –, especialmente para os filhos menores. Dessa maneira, as crianças terão as regras à vista e se sentirão motivadas a segui-las.

Terceiro: distribuir responsabilidades

Se queremos que nossos filhos sejam responsáveis, mas não lhes damos a possibilidade de sê-lo, não estamos fazendo nada. Cada filho deve assumir algumas responsabilidades dentro de casa, adicionais às escolares, que se dão por descontado.

É preciso dar-lhes certa autonomia e evitar ao máximo realizar as tarefas que eles podem fazer. A superproteção dos pais impede que os filhos exercitem a responsabilidade, além de torná-los preguiçosos.

Dentro dessa autonomia, é importante que os pais não fiquem o tempo todo recordando aos filhos suas tarefas, pois isso se torna um mau hábito, do qual começarão a depender. Quando você tiver certeza de que foi ouvido e entendido, é preciso deixar que seus filhos ajam por si mesmos, aconselham Ma. Ángeles Pérez e Francisco J. Rodríguez em "A responsabilidade na criança".

Quarto: autoridade coerente

Uma das maneiras de destruir a autoridade paterna é não respeitar as regras que foram estabelecidas, nem impor consequências quando elas não forem cumpridas. Quando isso acontece com frequência, os pais perdem a credibilidade dos seus filhos e, por conseguinte, toda autoridade sobre eles.

É por isso que, uma vez determinados os deveres, os pais devem cumpri-los e fazer que seus
filhos os cumpram. "Se, por algum motivo, os pais se esquecem do que ordenaram, estão dando aos filhos, tacitamente, autorização para fazer a mesma coisa", advertem Pérez e Rodríguez.

A coerência é uma maneira de demonstrar aos filhos que os pais velam por eles e pelo seu comportamento. Além de ser coerentes, os filhos se sentem mais seguros e conhecem as consequências do descumprimento das regras e responsabilidades. Se não há coerência, as crianças ficam ansiosas, porque não são capazes de predizer o que pode acontecer.

Quinto: recompensar pela responsabilidade

Os especialistas Pérez e Rodríguez recomendam incentivar os filhos a comportar-se adequadamente. "Isso não significa necessariamente dar presentes materiais, mas pequenos reconhecimentos que reafirmarão na criança a satisfação do dever cumprido."

"Além das recompensas materiais, há coisas como o tempo, a atenção, a preocupação, a simpatia e a boa vontade, que também são recompensas. Uma historinha a mais na hora de dormir, uma ida ao cinema, um sorvete, um abraço forte são manifestações que incentivam a criança a concluir que vale a pena ser responsável."

Uma criança é responsável se…

Segundo os autores Clemens e Bean, uma criança é responsável se:

– Realiza suas tarefas em casa e no colégio sem que seja preciso ficar lembrando-a o tempo todo.
– Pode refletir sobre o que faz.
– Não coloca a culpa nos outros sistematicamente.
– É capaz de escolher entre diversas opções.
– Pode brincar e trabalhar sozinha sem angustiar-se.
– Consegue tomar decisões diferentes das que outras crianças tomam no grupo em que se encontra.
– Respeita e reconhece os limites impostos pelos pais e professores, sem rebelar-se.
– Consegue concentrar sua atenção em tarefas complicadas (de acordo com sua idade) durante certo tempo, sem ficar frustrada.
– Leva a cabo o que diz que vai fazer.
– Reconhece seus erros e procura corrigi-los sem criar confusão.

A vida real é bem diferente da dos desenhos animados; os filhos devem assumir responsabilidades ao longo de toda a sua vida. Então, o melhor é começar a educá-los desde cedo, no lugar por excelência da formação nos valores: a família.

  • 1
  • 2
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FamíliaFilhosPaternidadeVirtudes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Com afastamento do pe. Robson, o Santuário de...
A12
3 armas fortes de São Miguel Arcanjo
Gelsomino Del Guercio
A misteriosa linha reta que une 7 santuários ...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Silvia Lucchetti
Gestante com câncer recusa aborto: ela e o be...
SAINT MICHAEL
Arcanjo Miguel
15 de agosto: começa a Quaresma de São Miguel...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia