Aleteia

Dormimos em camas separadas, mas temos um casamento feliz

© mast3r/SHUTTERSTOCK
Compartilhar
Comentar

Não é a cama que faz o casamento; algumas vezes o fato de o casal dormir separado pode até deixar o relacionamento mais forte

Às vezes, quando estou conversando com minhas amigas, os rostos delas de repente assumem um olhar estranho, de choque. Aí eu percebo que é porque eu só me referi ao quarto do meu marido, que é separado do meu.

A sociedade aceita prontamente que casais casados tenham contas bancárias separadas ou que uma mulher mantenha seu próprio sobrenome depois de casada. Mas dormir em cama separada do marido é considerado motivo de alarme. Supõe-se que o casal está tendo problemas de casamento e seu relacionamento está nas pedras. Não no meu caso.

Meu marido e eu somos felizmente casados por mais de 10 anos e dormir separadamente funciona para nós. Ele trabalha em turnos diferentes na ferrovia e, às vezes, é chamado no meio da noite. Ele configura o celular com toque assustadoramente alto para ter certeza de que vai ouvir. E, toda vez, este mesmo tom assustador me acorda e me coloca no modo pânico.

Eu comecei a dormir no quarto de hóspedes quando eu sabia que meu marido provavelmente receberia uma dessas chamadas. Eu amava aquelas noites só para mim. Tinha meu próprio espaço e podia ficar lendo, escrevendo e experimentando todos os sapatos do meu armário. Era maravilhoso! Então, eu finalmente comecei a dormir no nosso quarto de visitas todas as noites.

Eu amo e valorizo a unidade do casamento. O “eu” torna-se “nós”. Mas estava faltando alguma coisa na minha vida e era o sono de qualidade e um tempo só para mim. Meu marido não tem problemas com isso, já que, às vezes, eu o acordo com o ranger dos meus dentes. Quando temos tempo para nós, parece que conversamos mais do que quando dormíamos juntos. Acredito que o leito matrimonial é um altar – e nós temos dois. Para mantermos nossa intimidade e passarmos o tempo juntos, ele vem para o meu quarto e eu vou para o dele. Eu gosto de dizer em tom de brincadeira: “Ei querido, na sua casa ou na minha?”

Ao longo dos anos, dormir em quartos diferentes tornou-se mais comum para os casais por causa do ronco, dos problemas de saúde, horários de trabalho, síndrome das pernas inquietas, apneia do sono e muitas outras razões. Mas parece que não ouvimos muita gente falando sobre isso, provavelmente porque os casais acreditam que eles ficariam envergonhados. Mas a força e a proximidade de um casamento não são determinadas compartilhando uma cama. Na verdade, os leitos conjugais estão cheios de companheiros infelizes e infiéis. O importante é a proximidade e a conexão que um casal sente um pelo outro e a seriedade com que cumprem seus votos.

Não foi nem antes do século 19, na verdade, que a partilha de cama tornou-se popular. Voltando aos primeiros casamentos aristocráticos europeus, era comum para casais casados dormirem em quartos separados. Em países como o País de Gales, você pode visitar casas mais antigas e ver os quartos separados ,em que a esposa e o marido dormiam. Até mesmo agora, o príncipe Philip e a rainha Elizabeth II dormem separados. Naturalmente, não temos todos uma mansão ou um castelo com toneladas de quartos, mas a maioria das famílias de classe média tem um quarto de hóspedes, sala ou, pelo menos, um sofá-cama.

No livro “Sleeping Apart Not Falling Apart”, Jennifer Adams, uma dorminhoca dedicada, compartilha muitas dicas sobre como dormir separadamente, sem arruinar o relacionamento. O livro está repleto de pesquisas apoiando a ideia de que dormir separadamente não afeta de forma negativa os relacionamentos nem a vida sexual de um casal. Ela entrevistou casais que tiveram uma noite melhor de sono sozinhos em suas próprias camas, sem alguém acariciando o edredom. O casal mais jovem entrevistado tinha 22 e 24 anos de idade. Eles dormiam separados, mas eram sexualmente íntimos de oito a dez vezes por semana!

De acordo com uma pesquisa realizada em 2005 pela National Sleep Foundation, um em cada quatro casais americanos dorme em quartos separados, ou pelo menos em camas separadas.

O Dr. Michael Breus, também conhecido como “O Doutor do Sono”, explica, em um artigo do Psychology Today, como o sono interrompido pode aumentar o risco de problemas cardiovasculares, obesidade e diabetes. Ele diz que a falta de sono pode diminuir o sentimento positivo que temos para com o nosso cônjuge e que níveis mais baixos de gratidão e altruísmo são apresentados pelos casais que não conseguiram ter o sono de que precisavam.

Susan Heitler, psicóloga clínica e autora de “The Power of Two”, diz: “Vejo muitos clientes que dormem em quartos separados e, como resultado, têm melhores casamentos”. Mas ela também diz: “Se você está se separando à noite porque você está brigada, ou porque você está tendo problemas de sexo, então isso vai fazer mais mal do que bem.”

Dormir separado não é a resposta para problemas de relacionamento com seu marido. E dormir junto com ele também não. Você só precisa ter certeza de que você e seu cônjuge têm um entendimento mútuo sobre o motivo pelo qual vocês estão dormindo em camas separadas. A comunicação é fundamental para fazer com que funcione. Não é a cama que faz o casamento e, às vezes, o fato de o casal dormir separado até pode tornar o relacionamento mais forte.

Boletim
Receba Aleteia todo dia