Aleteia

6 passos importantes no luto pela morte de um cão amado

Andrew Branch | Unsplash
Compartilhar
Comentar

Conselhos sobre como lidar, incluindo obter outro animal de estimação no dia seguinte

 

Se você já amou – e perdeu – um cachorro, você sabe o quanto isso é doloroso. Nossos cães, nossos fiéis, engraçados, amorosos e amados companheiros, quebrarão nossos corações quando morrerem. E mesmo que uma pesquisa diga que para a maioria de nós perder nossos cães é equivalente a perda de um membro da família – de tão doloroso – muitos se sentem tolos por lamentar a perda de nossos cães.

Afinal, é “apenas um cão”.

Felizmente, a pesquisa pode nos ajudar com isso também. Como qualquer amante de animais sabe, nossos cães nunca são apenas cães. Cães foram criados para se conectar com seres humanos como nenhum outro animal. Eles entendem nosso humor. Eles até mesmo compreendem nossa língua! E ao perder um cão, o professor de psicologia Frank McAndrew diz, “experimentamos múltiplas perdas ao mesmo tempo. Podemos estar perdendo nosso companheiro primário, uma fonte de amor incondicional, uma “testemunha de vida” que nos proporciona segurança e conforto…  A perda de um cão atrapalha seriamente sua rotina diária ainda mais profundamente do que a perda da maioria dos amigos e parentes”.

O problema é que muitos de nós não sabemos como lamentar a perda porque não temos formas culturais de lamentar a morte de um cão (ou gato). Não temos rituais funerários padrão (embora orações para enterros de animais de estimação) para nos ajudar a processar. Muitas vezes não temos lápides para visitar.

No entanto, há coisas que podemos fazer para nos ajudar no processo de luto. A Dra. Mary Ellen Matthews, veterinária em Austin, Texas, e a Dra. Karen Swallow Prior, professora de inglês e membro do Conselho Consultivo de Fé da Humane Society dos Estados Unidos, ofereceram algumas dicas para honrar a vida de nossos animais de estimação e lamentar a perda de nossos amados companheiros.

  1. Prepare-se

Quando o fim da vida do cão começar a aparecer, a Dra. Prior sugere escolher “algo muito específico para se lembrar sobre o seu cão”. Ela deu um exemplo pessoal: “Quando o fim da vida do meu último cão estava se aproximando”, diz Prior, “eu a acariciei repetidamente. Mesmo agora, vários anos mais tarde, como outras memórias dela estão desaparecendo, eu posso me lembrar da textura de seu pelo em meus dedos, e isso me conforta”.

 

  1. Reconheça

Uma vez que seu cão morreu, Prior diz: “O sofrimento é real e é poderoso. Não negue ou peça desculpas por isso”.

Matthews concorda. “Toda vez que alguém perde um animal de estimação, há tristeza. Para muitos, um animal de estimação é um membro de sua família. Esses animais caminham ao lado de seus donos através de muitos estágios da vida, e sua perda coloca um buraco na existência de seus donos”.

  1. Tome seu tempo

Mesmo nos momentos após a eutanásia, Matthews tem o cuidado de dar a seus clientes o tempo que eles precisam. “Antes da eutanásia, depois da eutanásia, depois de ter removido seu animal de estimação da sala, eles podem levar o tempo que eles precisam”, diz Matthews.

E ela mantém essa posição por muito tempo depois que seus clientes foram para casa.

“Não há um cronograma sobre o sofrimento”, diz ela. “Não há temporizador de cozinha que se apaga, nenhum alarme do iPhone que zumbe para lhe dizer que é hora de parar de chorar e continuar com a sua vida. Então tome o tempo que precisar”.

  1. Guarde lembranças

Assim como Prior incentiva as pessoas a “guardarem” momentos especiais com seus cães antes que eles morram, Matthews incentiva as pessoas a encontrar uma maneira tangível de guardar os próprios cães.

“Eu posso não ser capaz de mudar o resultado do que está acontecendo com seu animal de estimação, mas”, Matthews diz, “eu posso oferecer pequenas coisas. ‘Podemos registrar a marca da pata de Sam. Existe uma cor que faz você lembrar-se dele?’”.

Longe de ser bugigangas, os memoriais físicos especiais agem como uma forma concreta de honrar o significado da vida do nosso cão.

  1. Mantenha em movimento

“Quando as pessoas perguntam o que vem a seguir, o que elas fazem em seguida”, diz Matthews, “somos honestos com elas. Haverá um buraco em sua vida. Eu posso dizer-lhes para esperar que a dor passe, mas eu não posso livrar dela. Então, eu digo a eles para continuarem se movendo. Minha mãe sempre me disse para ‘apenas fazer a próxima coisa’ quando tiver coisas demais para fazer. Uma coisa de cada vez e, eventualmente, ela se tornará menos dolorosa”.

Curiosamente, Matthews diz, devemos também lembrar a dor que nossos outros animais de estimação podem estar sentindo “especialmente se eles eram próximos do que morreu. Mime-os. Leve-os para um passeio. Deixe-os na cama. Eles se afligirão como você, e juntos vocês passarão por isso”.

  1. Ame outro cão

“O melhor conselho que eu recebi depois de perder um cão amado”, diz Prior, “‘mesma raça, mesmo dia’. Algumas pessoas pensam que este conselho pretende apenas substituir e esquecer um cão com outro. De modo nenhum. Nossa capacidade de amar é infinita. Obter outro cão imediatamente não diminui o amor da memória do cão anterior. Simplesmente acrescenta ainda mais amor e alegria às nossas vidas”.

E, de fato, uma das coisas que mais sentimos quando um cão morre é a alegria que amar um cão nos traz. Naturalmente, nem todos estão prontos para fazer isso tão cedo, então outra opção é considerar amparar um dos milhões de cães à procura de casa e amor, ou simplesmente se voluntariar em um abrigo animal local. O amor cura mais do que qualquer outra coisa.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia