Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Aleteia

Incêndios voltam a atingir centro de Portugal

AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
A man stands on the roadside watching a wildfire at Anciao, Leiria, central Portugal, on June 18, 2017.
A wildfire in central Portugal killed at least 25 people and injured 16 others, most of them burning to death in their cars, the government said on June 18, 2017. Several hundred firefighters and 160 vehicles were dispatched late on June 17 to tackle the blaze, which broke out in the afternoon in the municipality of Pedrogao Grande before spreading fast across several fronts. / AFP PHOTO / PATRICIA DE MELO MOREIRA
Compartilhar

Vários incêndios florestais foram declarados neste domingo (23) no centro de Portugal, onde mais de 2.300 bombeiros tentavam deter o avanço das chamas.

“O vento sopra forte e complica a luta contra os incêndios, que poderiam se prolongar”, declarou à noite uma porta-voz de proteção civil, Patricia Gaspar.
O maior incêndio se propagava em torno ao município de Sertã, na região de Castelo Branco, onde mais de 800 bombeiros tentavam contê-lo.
Cerca de 600 soldados foram mobilizados para apagar outro incêndio, declarado no domingo à tarde perto de Coimbra em uma zona de eucaliptos, plantas altamente inflamáveis.
Dois povoados da zona de Portalegre, Areia e Outeiro Cimeiro, se encontravam sob a ameaça de um fogo que avançava de duas frentes distintas.
Em meados de junho, um incêndio gigantesco em Pedrógão Grande deixou 64 mortos e mais de 200 feridos, propagando-se pelo centro do país durante cinco dias, antes de ser apagado. Treze dos feridos naquele incêndio continuavam hospitalizados neste domingo.
Após esse incêndio, Portugal adotou uma ampla reforma das florestas para reduzir o número de eucaliptos, uma planta muito presente em seu território.
(AFP)