Aleteia

Como se aprende a amar?

© Giuseppe Milo
Compartilhar
Comentar

O amor não alimenta feridas com pensamentos dolorosos, não cultiva ofensas com lamentos e autocompaixão

Você sabe amar?
 
Eu estou aprendendo.
Estou aprendendo a aceitar as pessoas,
inclusive quando elas me decepcionam;
quando fogem do ideal que tenho para elas.;
quando me ferem com palavras ou ações impensadas.
 
É difícil aceitar as pessoas como elas são
e não como eu gostaria que fossem.
É difícil, muito difícil,
mas estou aprendendo.
 
Estou aprendendo a amar,
estou aprendendo a escutar,
escutar com os ouvidos e com os olhos,
escutar com a alma.
 
Escutar o que diz o coração,
os ombros caídos,
os olhos,
as mãos inquietas.
 
Escutar a mensagem que se esconde
entre as palavras superficiais.
 
Descobrir a angústia disfarçada,
a insegurança mascarada,
a solidão encoberta.
 
Penetrar o sorriso fingido,
a alegria dissimulada,
a vanglória exagerada.
 
Descobrir
a dor
de cada coração.
 
Pouco a pouco,
estou aprendendo a amar.
Estou aprendendo a perdoar.
 
Porque o amor perdoa,
joga fora as tristezas e cura as cicatrizes
que a incompreensão e a insensibilidade
gravaram no coração ferido.
 
O amor não alimenta feridas
com pensamentos dolorosos,
não cultiva ofensas
com lamentos e autocompaixão.
 
O amor perdoa, esquece,
extingue todos os traços de dor no coração.
 
Passo a passo,
estou aprendendo a perdoar, a amar,
estou aprendendo a descobrir o valor
que se encontra dentro de cada vida,
de todas as vidas.
 
Estou aprendendo a ver
nas pessoas suas almas
e as possibilidades que Deus lhes dá.

Estou aprendendo, mas
quão lenta é a aprendizagem!
 
Que difícil é amar
incondicionalmente!
 
Mesmo tropeçando,
cometendo erros,
estou aprendendo…
 
(Artigo publicado originalmente por Oleada Joven)

Boletim
Receba Aleteia todo dia