Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 27 Novembro |
São Máximo de Lérins
home iconEspiritualidade
line break icon

A espiritualidade dos leigos deve ser diferente da dos padres e religiosos?

Shutterstock

Salvador Aragonés - publicado em 28/07/17

O leigo santifica o mundo a partir do mundo, com sua profissão e sua família

Existe uma espiritualidade leiga hoje em dia? E se existe, qual é essa espiritualidade? Não há diversas espiritualidades (monástica, sacerdotal, matrimonial)? São perguntas frequentemente feitas quando se fala sobre a pastoral dos leigos e de seu serviço à Igreja.

Quem responde a essas perguntas é o professor de Teologia Espiritual da Pontifícia Universidade de Santa Cruz, Vicente Bosch. Bosch é valenciano e sacerdote da prelatura do Opus Dei. Suas respostas foram publicadas em uma entrevista à revista Temes d’avui.

“A espiritualidade cristã é única, no sentido de que há uma só fé, um só batismo, um só Cristo, um só Espírito. E a meta é sempre a mesma: a santidade. Mas é preciso encarar tudo isso na vida. As pessoas são muito diferentes, de modo que poderíamos dizer que, ao final das contas, há tantas espiritualidades quanto tantos cristãos”, diz o professor.

“Essa expressão multiforme da vida cristã também apresenta características diferentes. Por exemplo: o fato de ser padre, monge ou leigo marca a vida espiritual, pois, nas relações com Deus, não se pode deixar, de um lado, o ministério sacerdotal, os votos e as regras dos religiosos e, por outro lado, os deveres familiares e cívicos dos leigos. Por isso, em cada um se consolida um estilo de vida que dá origem a uma espiritualidade própria”, afirma Bosch.

“Ou seja: os leigos precisam de uma espiritualidade própria, diferente da dos sacerdotes e religiosos. Mas qual é essa espiritualidade? O fiel leigo é alguém que foi batizado e chamado por Deus e, com sua presença no mundo, deve devolver as coisas criadas em sua beleza original, prejudicada pelo pecado”, acrescenta.

O professor explica que a missão do leigo é “encaminhar o mundo até Deus, impregnar as estruturas temporais de sentido cristão”.

Vicente Bosch fala da “espiritualidade leiga”, não de “espiritualidade dos leigos”. Onde está a diferença? Muitas vezes, ao longo da história, aplicou-se aos leigos uma espiritualidade já existente (São Francisco de Sales, por exemplo).

Mas o professor diz que “a mudança radical veio no Concílio Vaticano II, que reavaliou o mundo e as realidades terrenas, considerando-as como um caminho de santidade que Cristo percorreu e deixou aberto a todos os homens.”

“É assim que nasce uma espiritualidade leiga, caracterizada pelo cruzamento entre o humano e o cristão, a valorização positiva das coisas cotidianas, a competência profissional, o sentido de responsabilidade, o acentuado sentido de liberdade pessoal e uma forte consciência da missão de ordenar as coisas até Deus”, sustenta o professor.

Isso soa muito bem. Mas como fazer? O professor responde: “se o fiel leigo leva Cristo em suas almas, isso necessariamente se fará visível no seu exterior, em suas obras. Está claro que não basta trabalhar bem para santificar o mundo: além da coordenada horizontal da ação social (trabalho), é necessária a coordenada vertical de trato com Deus na oração e nos sacramentos. Sem isso nada pode ser santificado. Por outro lado, também é necessária a formação doutrinária e religiosa para que o leigo possa aplicar o Evangelho de maneira livre e responsável em cada situação concreta”, alerta Bosch.

É certo que a Igreja, sobretudo a partir do Concílio Vaticano II tem feito um grande esforço para reconhecer o papel dos leigos e estes estão sendo corresponsáveis na gestão das paróquias e dioceses. Porém, “essa não é a única via de santificação nem a mais importante, a qual continua sendo a vida familiar e profissional”.

Em relação a isso, o doutor Vicente Bosch diz que “alguns sacerdotes erram ao pensar que a maturidade de um leigo se mede pelo tempo e a energia dedicados às paróquias. O Papa Francisco, entretanto, lamentou, recentemente, a existência de um clericalismo que ‘funcionaliza os leigos’ e gera uma elite para trabalhar em coisas da Igreja, mas que não cuida de sua vida pública e de sua vida cotidiana”.

Tags:
leigosReligiososTrabalho
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
Papa Francisco com máscara contra covid
Reportagem local
As 3 “covids” do Papa Francisco
MARADONA
Pablo Cesio
Pelé sobre Maradona: "Espero que um dia jogue...
WEB2-COMMUNION-EUCHARISTIE-HOSTIE-GODONG-DE354465C-e1605635059906.jpg
Reportagem local
Internado na UTI, Pe. Márlon Múcio continua c...
John Burger
A melhor maneira de contar a seus filhos a ve...
MARYJA
Philip Kosloski
A melhor oração mariana para quando você prec...
POINSETTIAS,CHRISTMAS,ALTAR
A. J. Clishem
O segredo do grau de inclinação da cabeça de ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia