Aleteia

A única coisa que bons pais fazem que prejudica os filhos

© Shutterstock
Compartilhar
Comentar

O desafio é encontrar aquele ponto entre estar suficientemente próximo sem sufocar seus filhos e estar suficientemente longe sem abandoná-los

Pais superprotetores tornaram-se um pilar da paternidade moderna: as crianças tornaram-se o centro da vida familiar, e os pais perderam o equilíbrio de tempo e energia que dedicam a eles. O aumento de atividades educacionais e atléticas levou os pais a se concentrarem excessivamente nas atividades e realizações de seus filhos.

Podemos pensar que uma sociedade centrada na criança seria benéfica no longo prazo, mas observamos com preocupação que estamos criando filhos que são excessivamente dependentes de seus pais e estão mal preparados para uma vida independente.

Alcançar o equilíbrio na paternidade é um assunto difícil, mas pode ser resumido como: esteja suficientemente próximo sem me sufocar e esteja suficientemente longe sem me abandonar.

Um dos aspectos importantes que devemos levar em conta para alcançar esse equilíbrio é a resolução de problemas: cada vez que fazemos algo para uma criança que ela pode fazer sozinha, estamos prejudicando-a. Sempre que nós o salvamos um pouco, fazendo a tarefa que ele esqueceu, ou sempre que removemos um obstáculo de seu caminho, estamos roubando-lhe a capacidade de crescer em caráter, personalidade e independência.

O trabalho de um pai é tornar nossos filhos capazes de enfrentar sua própria vida, dando-lhes ferramentas para poder trabalhar nela e estar ao seu lado para levantá-los em cada queda. Mas se tentarmos evitar que caiam, eles nunca serão capazes de enfrentar a experiência e apreciar a satisfação de saltar mais forte.

O outro lado da moeda é o abandono: os pais que estão tão preocupados com suas próprias vidas que se convencem de que seus filhos não precisam deles, que é bom para eles caminhar sozinhos. Eles simplesmente são pais ausentes.

A coisa mais preocupante sobre esse tipo de pais não é que eles não estejam lá para mostrar o caminho ou para fornecer as ferramentas necessárias. A parte mais difícil é a falta de afeto e carinho; o sentimento de abandono e o escasso senso de pertença que essas crianças podem sentir. Muitas vezes esse tipo de educação produz filhos agressivos.

Em todos os aspectos da vida familiar, o equilíbrio é importante. No entanto, um dos aspectos que devemos proteger mais de perto é o modelo de paternidade que usamos e o tempo e a energia que dedicamos aos nossos filhos.

Devemos nos perguntar – quando estamos educando –, pensamos sobre o que é objetivamente bom para a criança? Sabemos que estamos educando-a para o futuro? Estamos ajudando nossos filhos a se tornarem autossuficientes, livres e independentes? Não é uma questão de sufocar ou abandoná-los, mas de acompanhá-los para que cresçam se sentindo amados e protegidos em um ambiente saudável em que eles conheçam seu lugar.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia