Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Vídeo: o ataque a católicos na Nigéria

BLACK SUNDAY ATTACK
Compartilhar

Pelo menos doze pessoas foram mortas neste domingo (6) em um ataque a uma igreja no sudeste da Nigéria, informaram fontes hospitalares e testemunhas.

O ataque ocorreu na igreja católica de São Felipe Ozubulu, perto de Onitsha, 300 km a leste de Lagos, a capital econômica da Nigéria.

“No momento temos doze pessoas mortas que se encontram no necrotério e outras que recebem cuidados médicos”, informou à AFP um funcionário do hospital universitário Nnamdi Azikiwe de Nnewi, para onde as vítimas foram levadas.

Muitos fiéis foram baleados, acrescentou a fonte, sem indicar o número ou a gravidade dos ferimentos.

O chefe de polícia do estado de Anamba, Garba Umar, afirmou que o ataque foi cometido por um único atirador.

“Com base nas informações que dispomos, está claro que a pessoa que realizou o ataque era um residente local”, assegurou.

“Pelo que sabemos, um homem armado vestido de preto e com a cabeça coberta por um boné entrou na igreja durante a missa das 6h00 na igreja católica de São Felipe. Ele se dirigiu em direção a um alvo preciso e abriu fogo”, afirmou o chefe de polícia.

“Depois de atirar contra o seu alvo, continuou disparando, matando e ferindo vários fiéis”, explicou o policial, sem fornecer um balanço das vítimas.

Segundo ele, uma investigação judicial foi aberta pela polícia para encontrar o atirador, que fugiu após o ataque.

Testemunhas disseram que o número de vítimas pode chegar a vinte e que os atacantes eram pelo menos cinco.

“Sai da igreja para relaxar quando ouvi tiros e gritos e vi pessoas correndo”, relatou uma testemunha, Chukwuma Emeka.