Aleteia

Como se desconectar em um mundo sempre conectado

Livertoon - Shutterstock
Compartilhar
Comentar

A internet possibilitou-nos um progresso impressionante, mas é preciso ter critério para saber usá-la como ferramenta

O advento dos smartphones, tablets e mídias sociais permitiu-nos manter conectados a cada minuto do dia, e mesmo à noite enquanto tentamos dormir! Como nossos cérebros têm que lidar com um volume constante de informações, ficamos cada vez mais cansados ​​e estressados. Então, e se nós aprendêssemos a desconectar e entrar mais em contato com a realidade… mesmo que seja apenas nos fins de semana?

Julie, uma designer gráfica de 33 anos e fundadora de uma agência de comunicação, costumava ficar conectada 24 horas por dia, 7 dias por semana, trabalhando continuamente, verificando seus e-mails, saltando para frente e para trás entre as inúmeras janelas abertas na tela, e respondendo aos seus clientes nos sábados às 2 da manhã, graças ao seu smartphone. Ela estava sempre a um clique de distância para lidar com outra questão de trabalho. Sentia-se como uma supermulher, capaz de administrar tudo, em todos os momentos.

E Julie não está sozinha. A Associação Americana de Psicologia informou que quase metade dos adultos empregados permanecem conectados fora do horário de expediente (isto é, em viagens, nas noites, fins de semana e férias). E, ao mesmo tempo, os trabalhadores também relataram lidar com questões pessoais durante o trabalho. O uso de novas ferramentas de comunicação mudou a forma como trabalhamos e acelerou um fenômeno conhecido como “borrão”, onde os limites entre a vida doméstica e profissional tornam-se nebulosos.

Algumas pessoas consideram essa capacidade de se manter conectado como muito conveniente, levando-nos também a poder trabalhar a partir do conforto de nossas próprias casas. E, embora possamos perceber trabalhar de forma remota como forma de aumentar a produtividade, para alguns é também uma fonte de estresse. Eles se encontram permanentemente em demanda, muitas vezes sentindo que estão trabalhando demais e não conseguem desligar. Esses trabalhadores hiperconectados gostariam de poder gerenciar melhor o mundo digital, mas, de alguma forma, eles simplesmente não podem. A web tornou-se uma continuação da nossa consciência. 

Então, por que estamos viciados?

Não podemos culpar essa hiperconectividade simplesmente por causa de nossos colegas e nosso chefe; precisamos olhar mais nossos próprios hábitos. “Estamos abraçando isso quando checamos nossas mensagens a cada dois minutos, e navegamos na web no momento em que temos oportunidade”, ressalta a socióloga Catherine Lejealle. Enquanto tentamos trabalhar, tweetamos uma atualização, publicamos uma foto no Instagram, comentamos no Facebook – e, é claro, nós então precisamos verificar se recebemos “curtidas”. Com esse networking gastamos cerca de duas horas por dia!

Essas mensagens de notificação muito conhecidas nos fazem ficar viciados, deixando-nos constantemente verificando as últimas notícias e mensagens. “Não percebi que estava trabalhando constantemente; navegar na internet pode ser tão educacional!”, explica Sophie, gerente de comunidade de 38 anos. Navegar na web não é apenas fácil: também é cativante. Esta hiperconectividade nos faz acreditar que somos indispensáveis, um funcionário super profissional. Isso nos dá um sentimento de “poder, o sentimento de ser reconhecido e valorizado, a impressão de ser ativo e conhecer tudo em tempo real”, acrescenta Catherine Lejealle.

“Parece também fornecer uma solução para nossos medos (de perder as últimas informações, uma interação social, um evento), essa ansiedade também conhecida como FOMO ou Fear of Missing Out (o medo de ficar por fora)”. O psiquiatra Christophe André evoca essa compulsão digital na revista Psychologies: “Estamos nos tornando obesos em informações inúteis, em links virtuais. Nós não somos mais capazes de autorregular a nós mesmos”. E o que é pior, esta tempestade digital nos deixa a maioria das vezes insatisfeitos.

Efeitos secundários prejudiciais

Um ano atrás, Julie experimentou um esgotamento: “Eu estava no fim da linha. Eu simplesmente não suportava ninguém, nem meus clientes. Meu trabalho foi poluído por múltiplas interferências da rede. Eu me senti sobrecarregada com mensagens, aplicativos e informações. Fui apanhada em um ciclo. Mas o mais importante, eu estava sofrendo de insônia. Eu li que isso era devido à poluição visual”.

Os hiperconectados muitas vezes sentem suas cabeças prontas para explodir, que elas estão perdidas, sempre em movimento e intelectualmente empobrecidas. Não usamos a internet, é mais um caso da internet nos usando; envia a nossa concentração para um colapso, nos distraindo do nosso trabalho e nos causando algumas vezes erros – como quando enviamos um e-mail de trabalho entre duas paradas de metrô, e depois percebemos que o enviamos para a pessoa errada.

O laboratório de mídia interativa em Stanford, que originalmente queria provar os benefícios da “multitarefa”, concluiu que “indivíduos que fazem muitas coisas ao mesmo tempo misturam informações. Eles acreditam em tudo e qualquer coisa sem discernimento. Essas multitarefas são simplesmente ruins em praticamente todas as tarefas”. O que é verdade, no entanto, é que aqueles viciados na web sofrem de modificações cerebrais semelhantes às dependentes de drogas ou álcool, de acordo com um estudo chinês: “Sujeitos que têm problemas de dependência de internet mostram mudanças estruturais e funcionais nas partes do cérebro envolvidas na forma como tratamos emoções, tomada de decisão, controle cognitivo e atenção executiva”.

Desligar tudo?

É praticamente impossível remover a internet completamente das nossas vidas. Na verdade, ela nos permitiu fazer um progresso impressionante: é uma ferramenta que oferece liberdade, conhecimento, comunicação e material para reflexão. Uma condição para recuperar nosso poder é dominar a ferramenta, usá-la de forma razoável e acessá-la puramente por necessidade: basicamente falando, ficando acostumado a isso.

Julie desligou as notificações no seu celular. À noite, ela desliga o Wi-Fi. Durante as primeiras semanas, um desejo irresistível a empurrava para olhar sua tela. “Foi difícil, especialmente para minha consciência profissional. Ficava estressada com a ideia de não responder aos meus clientes imediatamente. Eu configurei uma resposta automática de e-mail dizendo que recebi sua mensagem. Isso informava que eles teriam que esperar até segunda-feira, ou até eu retornar das férias, para lidar com qualquer questão”.

Para ajudar a missão de Julie de desconectar, ela voltou para as aulas de dança de jazz duas vezes por semana à noite. Ela saía tão exausta que nem sequer tentava dar uma olhada em seus e-mails. Às segundas-feiras, ela gerencia muitos e-mails, e em uma manhã ela consegue lidar com todos eles. Para se concentrar melhor, ela coloca seu smartphone no modo silencioso, e às 17 horas, ela faz uma pausa e se permite navegar ou conversar um pouco.

Quanto a Sophie, ela esvazia a cabeça assistindo documentários de vida selvagem e também fazendo aulas de alongamento. “Lembro-me de me sentir realmente em pânico na primeira sessão. Noventa minutos sem olhar meu telefone ou compartilhar meus pensamentos pareciam bastante insuperáveis. Quanto mais eu entrei em meus exercícios, mais senti que estava esvaziando meu cérebro. Nada aconteceu – não escrevi nada, e não compartilhei nada. Desde então, eu fui a essas aulas todos os domingos à noite. Sozinha. Começo minha semana sentindo calma, concentrada, com todos os meus pensamentos no lugar. Fazer essas aulas é uma maneira de limpar o quadro de todos os pequenos ‘rabiscos’ que eu tenho na minha cabeça – toda essa informação que se mistura no meu cérebro após uma sessão na internet”.

Hoje, Sophie não sente mais pânico de pensar em perder uma informação, responder tarde a um e-mail ou não enviar um tweet no momento certo. “Isso me permitiu perceber, finalmente, que havia um processo de seleção natural com minhas mensagens; o mais importante sempre voltaria para mim”. Ela determina suas prioridades e se concentra em interações de qualidade. Sua última descoberta é o software OmmWriter, que permite que você trabalhe com fundos inspirados na natureza e o liberte de todas as distrações para que você possa se concentrar corretamente, enquanto toca música suave ao mesmo tempo.

Ela devolveu seu celular de trabalho; seus clientes podem encontrá-la em seu telefone fixo de trabalho. Ela está voltando no tempo? Talvez, mas o resultado é que ela agora está vivendo novamente, assim como Julie! Ao fazer uma única tarefa de cada vez, ela ganhou concentração, portanto, sua criatividade e eficiência aumentaram. O mundo digital se tornou sua ferramenta de trabalho, não sua vida.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia