Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Moderano
Atualidade

E se, em vez de insistir na inseminação artificial, você adotasse uma criança?

Twitter

Aleteia Brasil - publicado em 09/08/17

A fecundidade espiritual de se acolher uma criança abandonada pode vencer de modo avassalador qualquer esterilidade física

No tocante à paternidade e à maternidade, muitas sociedades mundo afora têm adotado legislações apresentadas como “conquistas de direitos” e “progressos sociais”: barrigas de aluguel, seleção de embriões ao estilo eugenista, fecundação artificial focada em proporcionar a “experiência” de gerar um filho, entre outras práticas que costumam despertar importantes discussões no âmbito da ética.

Não estamos falando de tratamentos para casais que enfrentam algum problema solucionável de fertilidade: estamos falando de casos em que a natureza simplesmente não prevê a concepção, mas, nos quais, mesmo assim, insiste-se nela mediante procedimentos invasivos e motivados por angústias pessoais.

Ao mesmo tempo em que muitos desses casos reduzem a bênção de conceber, gerar e dar à luz um filho à mera realização de um capricho teimoso, continua mal abordada e mal divulgada a questão urgente de motivar e desburocratizar as adoções de crianças que já nasceram e que continuam experimentando o trauma do abandono à medida que o tempo passa e nenhuma família se torna a sua família.

Aliás, não são poucas as famílias que optam pela inseminação artificial, homóloga ou heteróloga, precisamente porque a burocracia impõe altos custos e tempos de espera absurdamente longos para quem deseja adotar uma criança.

Neste panorama, é premente continuar expondo a urgência de tornar a adoção um processo mais sensato e humano tanto para as crianças sem família quanto para os casais desejosos de lhes dar, finalmente, o tão almejado lar.

Isto por um lado. Por outro, é igualmente urgente reconhecer e desmascarar a mentalidade relativista e egocêntrica do nosso tempo, que não quer admitir que a adoção é a resposta natural e mais sublime à dor da infecundidade biológica.

É de se perguntar com honestidade e objetividade: por que cada vez mais casais escolhem a fertilização in vitro em vez da adoção?

Parte da resposta está, sim, na burocracia insustentável que obstaculiza as adoções; outra parte está, sem dúvida, no desejo perfeitamente compreensível de gerar uma vida; mas outra parte, de peso cada vez maior, está na mentalidade, imposta pela cultura relativista e egoísta do nosso tempo, de que adotar uma criança não é “suficientemente belo e realizador” para os futuros pais. Nessa mentalidade, ter um filho não é tanto uma bênção quanto um “direito” – e esse “direito” é líquido o bastante para se diferenciar cada vez menos do puro e simples capricho.

Na realidade, a fecundidade espiritual de se acolher uma criança abandonada pode vencer de modo avassalador qualquer esterilidade física, além de ressaltar algo que a “paternidade/maternidade por capricho” corre um altíssimo risco de negligenciar: o fato de que ser pai e mãe vai muito além da geração.

Quando um homem e uma mulher adotam uma criança, eles recordam a si mesmos e ao mundo que um filho é um presente a ser acolhido, não apenas uma extensão da própria biologia a ser gerada a todo custo.

Eles testemunham que a cruz da infertilidade biológica, para o casal, e do trauma do abandono, para as crianças sem família, pode se transformar em luz de ressurreição dentro de um lar fecundo, vocacionado a acolher, amar, educar e compartilhar uma vida de modo pleno e realizador.

Recordar ao mundo a beleza da adoção faz parte da missão de todos nós, adeptos da cultura da vida e do encontro. E, muitas vezes, essa fértil lembrança é tudo o que falta para levar luz e decisão a um casal que enfrenta os dilemas e as angústias da infertilidade física.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
FilhosPaternidade
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia