Aleteia

O menino que só comunga o vinho consagrado

© Public Domain
Compartilhar

O testemunho de um celíaco

Sempre tive curiosidade de saber por que algumas pessoas se aproximam do altar na hora da Comunhão e bebem o vinho sagrado em um pequeno cálice. Por que elas não recebem a Hóstia Consagrada como os outros?

Por isso, fui estudar o problema dos celíacos, ou seja, das pessoas que não podem consumir glúten, que é um conjunto de proteínas presentes no grão de trigo. A intolerância ao glúten atinge 1% das pessoas.

Mas o que tem a ver o glúten com a Comunhão? A Comunhão é recebida sob as espécies do pão e/ou do vinho, que, depois da consagração na Santa Missa, se transformam, (transubstanciação) no Corpo e Sangue de Jesus Cristo, Filho de Deus. Além disso, no pão e vinho consagrados Jesus está presente em Corpo, Sangue, Alma e Divindade. Ou seja, Ele está presente por inteiro.

 E o que fazer quando a pessoa for intolerante ao pão de trigo ou ao vinho?

Com o passar dos anos, foram elaboradas hóstias sem glúten, para que os celíacos pudessem comungar. E o vinho foi substituído por substâncias líquidas que não são originárias da uva. Além disso, em alguns casos, foram acrescentados outros produtos à tradicional comunhão, como mel, açúcar e frutas. Mas isso tudo não adultera as Sagradas Espécies?

Com o objetivo de evitar a desnaturalização da Eucaristia, tal como foi instituída por Jesus na Última Ceia, o Papa Francisco decidiu deixar as coisas claras e enviar a todos os bispos uma Carta, para que eles pudessem “observar a qualidade do pão e do vinho destinados à Eucaristia e aqueles que os preparam”.

O documento lembra que o pão eucarístico deve ser de trigo (ou seja, com glúten, mesmo que seja só “um pouquinho”). As “hóstias sem nada de glúten são matérias inválidas para a Eucaristia”, o que significa que elas não devem ser consagradas. Melhor dizendo: Jesus não está ali, e, portanto, não há sacramento.

Da mesma forma, o vinho deve proceder da uva. A carta aos bispos diz: “deve ser natural, do fruto da videira, mas sem se corromper, sem ser misturado a outras substâncias” e que não esteja “avinagrado”.

Muitas pessoas criticaram o documento do Papa Francisco, dizendo: “como é possível que ‘este’ Papa diga uma coisa dessas?”

Antes de aprovar a carta, O Papa se certificou com estudiosos da bíblia, teólogos, biólogos e outros especialistas.

O caso de Miguel

Em Agosto, quando estava de férias nos Pirineus, vi um menino já crescidinho que ia comungar. Ele esperava no fim da fila para receber do sacerdote o vinho consagrado em um pequeno cálice.

Com a permissão dos pais dele, eu me aproximei. O nome dele é Miguel e ele tem 14 anos. Eu comecei a conversar com o garoto.

– Você é celíaco?

– Sim, desde os 10 anos.

– E tem que comungar só o vinho consagrado? É difícil?

– É normal, porque eu não posso ingerir glúten.

– Mas você não pode tomar outras formas consagradas sem glúten?

– Então, isso não seria pão.

 (A segurança da resposta me surpreendeu, e ele comentou que só se comunga o pão, o vinho ou as duas coisas. O garoto, no caso, só pode comungar o vinho. Por isso, antes de cada Missa, tem que entregar um pequeno cálice dourado na parte de dentro e dizer ao padre que comungará o vinho).

– Te dá um pouco de trabalho ir sempre com o cálice antes da Missa? Tem que ser pontual, né?

– Sim, claro, mas é o que temos. Tem gente que vai comungar de muletas ou de cadeira de rodas.

– Com certeza! E quanto custa este cálice?

– Não tenho certeza. Minha avó me deu de presente quando soube que eu não podia comungar o pão.

 (O cálice custou 50 euros, segundo me contou sua mãe).

– E se você esquecer o cálice?

– É um problema. Aí eu peço ao padre que deixe umas gotas de vinho consagrado no cálice dele.

– Já teve problema alguma vez?

– Não.

– E seus amigos? Eles não zombam de você porque só você vai com o cálice à Missa?

– Não… Bom, na realidade, sim. Mas eles logo entendem.

– O que você tem é uma doença?

– Eu não considero uma doença. Não me sinto doente, nem diferente, nem nada. Sou normal.

– O que você quer ser quando crescer?

– Gostaria de ser engenheiro. Mas vamos ver. Ainda tenho alguns anos para decidir.

Miguel estava muito atento às minhas perguntas. Ele nunca tinha sido entrevistado por um jornalista.

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia