Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconReligião
line break icon

O significado e a história do gesto da paz

SHAKING HANDS

Tim Brown | CC

Philip Kosloski - Aleteia Brasil - publicado em 17/08/17

Este rito eclesial é um dos mais antigos e foi adotado logo nos primórdios da Igreja

Antes da Sagrada Comunhão, o sacerdote sempre diz aos fiéis: “Saudemos uns aos outros na Paz de Cristo”. Após isso, é tradição que todos se cumprimentem com um aperto de mão, dizendo “A Paz”, “A Paz de Cristo” ou “A Paz esteja com você”. O interessante é que este gesto litúrgico tem raízes antigas e faz parte da Missa desde os primórdios da história da Igreja.

O simbolismo espiritual deste ato é encontrado no Evangelho de Mateus, em que Jesus diz: “Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta” (Mateus 5:23,24).

A atual Instrução Geral do Missal Romano confirma esse simbolismo e explica: “Segue-se o rito da paz, no qual a Igreja implora a paz e a unidade para si própria e para toda a família humana, e os féis exprimem uns aos outros a comunhão eclesial e a caridade mútua, antes de comungarem no Sacramento. Quanto ao próprio sinal com que se dá a paz, as Conferências Episcopais determinarão como se há de fazer, tendo em conta a mentalidade e os costumes dos povos. Mas é conveniente que cada um dê a paz com sobriedade apenas aos que estão mais perto de si.”

As primeiras comunidades cristãs tomaram as instruções de Jesus e incorporaram o rito em suas celebrações da Eucaristia.

A Constituição Apostólica, documento escrito no século IV, instrui que, após a Oração dos Fiéis, “deixe o bispo cumprimentar a igreja e dizer: A paz de Deus seja com todos vocês. E os fiéis respondem, com o seu espírito. Depois, o diácono diz a todos: Saúdem uns aos outros com o beijo sagrado”.

O que nós chamamos de “gesto da paz”, a Igreja primitiva chamou de “beijo da paz”. Era um costume na cultura mediterrânea na época (e ainda é hoje) de cumprimentar familiares e amigos com um beijo.

Este gesto é encontrado em toda a história litúrgica da Igreja e, desde o tempo de São Gregório, o Grande, foi visto como um pré-requisito para a recepção da Comunhão.

Em outros ritos da Igreja, o beijo da paz assumiu diferentes formas. Joseph Jungmann explica em Missa do Rito Romano que “entre os sírios do Oriente, é costume que cada um aperte as mãos dos próximos e os beije. Ainda mais reservados são os coptas, que apenas se inclinam para o próximo e depois tocam sua mão”.

No século XVII, no Rito Romano, o beijo da paz estava restrito apenas aos presentes no altar e não era transmitido aos fiéis em seus bancos. Às vezes, era costume que o clero usasse uma placa com a palavra pax (paz) que era beijada por cada ministro e passada adiante.

Depois do Concílio do Vaticano II, a Igreja voltou a olhar o antigo costume e decidiu restaurar a ação original dos fiéis, confiando a cada conferência dos bispos a tarefa de determinar o sinal cultural mais apropriado.

O gesto da paz é um ato altamente simbólico, que pretende apontar para a disposição do coração em receber a Sagrada Eucaristia. Lembra aos fiéis que, para estarem em plena comunhão com Cristo, é preciso primeiro “Amar, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes” (Marcos 12:30,31).

Atualmente, a Igreja respeita os costumes locais das paróquias. No Brasil, depois do surgimento de doenças contagiosas, como a gripe suína, por exemplo, muitos bispos aboliram o gesto da paz em suas comunidades.

Leia mais sobre as mudanças e adaptações do gesto da paz, clicando aqui.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
HistóriaIgrejaPaz
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia