Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Uma pergunta simples para desarmar os reclamões e provocadores de plantão

MAN
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Há muitas coisas mais importantes do que apenas provocar ou ficar reclamando

Em um trecho do filme “A Grande Beleza” (vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2013), o personagem principal, o jornalista Jep Gambardella, encontra uma atriz que tem chamado a atenção do meio cultural em Roma.

Após assistir à peça em que a atriz se apresenta, Jep vai entrevistá-la. A mulher lhe pergunta: “então, você gostou da apresentação?”. Ele responde com polidez: “de algumas partes”.

Irritada com a rejeição do jornalista, que nitidamente não tinha gostado da peça, mas procurava ser educado, ela diz: “é que eu gosto de provocar”. Jep responde: “há muitas coisas mais importantes do que provocar”.

Nesse momento, Jep lança sua pergunta essencial: “o que você está lendo?”

A atriz responde que não precisava ler nada, pois vivia de “vibrações extrassensoriais”.

Jep pergunta-lhe então o que seriam as tais “vibrações”.

Ela diz que não daria para explicar em palavras, pois seria algo muito profundo, que apenas se sente.

O jornalista lhe dá mais uma chance, pedindo que ela ao menos tentasse explicar, nem que fosse de forma bem simples.

Ela passa então a xingá-lo.

Essa passagem de “A Grande Beleza” nos oferece um método simples para lidar com os reclamões e provocadores de plantão.

São aqueles que estão sempre a reclamar de tudo: do país, da corrupção, dos políticos de esquerda ou dos políticos de direita, dos vizinhos, do cônjuge, dos filhos, dos parentes…

Basta perguntar, com delicadeza: “o que você está lendo?”

Se a pessoa responder que não está lendo nada, ou que está lendo algo imprestável – o que dá no mesmo –, você poderá refletir consigo: “como alguém que não está lendo nada pode ficar criticando tudo? Será que ele fundamenta suas críticas em novelas da TV ou programas de auditório dominicais?”

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições