Aleteia logoAleteia logoAleteia
Sexta-feira 12 Agosto |
Santa Joana Francisca de Chantal
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Comer carne exige menos trabalho de dinamarqueses e mais de indonésios

WEB3-CHILD-GIRL-POVERTY-HAITI-HUNGER-Feed My Starving Children (FMSC)-www.fmsc.org-CC

Feed My Starving Children (FMSC)-CC

Agências de Notícias - publicado em 22/08/17 - atualizado em 22/08/17

Em Copenhague, basta uma hora de trabalho para comprar um bife. Já em Jacarta, é preciso labutar um dia todo para adquirir a mesma porção. Essa foi uma das conclusões de um estudo para a empresa Caterwings sobre o acesso à carne de trabalhadores com salário mínimo.

Para estabelecer essa comparação, a ABCD agency, a empresa de relações públicas que fez o estudo, se baseou no salário mínimo de cada país e em uma média de preços estabelecida a partir do custo da carne em grandes cidades de cada país.

Assim, a Dinamarca foi classificada como um dos países com o salário mínimo mais alto. A isso se somou o fato de não ter “a carne mais cara que a média mundial”, segundo a Caterwings, o que explica o fácil acesso à proteína pelos dinamarqueses.

Eles são seguidos de perto pelos vizinhos suecos, que precisam trabalhar pouco menos de uma hora e meia para ganhar uma porção de carne vermelha. O assalariado australiano precisa de exatamente uma hora e meia para comprar um bife, no país que consome a maior quantidade de proteínas animais, segundo o estudo inédito.

O trabalhador indonésio, por sua vez, tem o nível salarial mais baixo e precisa de 23 horas e meia de serviço para ter uma porção de carne.

Nos Estados Unidos, essa mesma medida pode ser adquirida após duas horas e meia de trabalho. Já no Brasil, é preciso labutar por cinco horas e meia, e a carme é 52,20% mais barata que média mundial.

A pesquisa se concentrou nos países que mais produzem e consomem proteínas animais, indicou a Caterwings, empresa de restaurantes que conecta distribuidores de alimentos e empresas.

Os dados foram obtidos pela análise dos preços da carne nas maiores cidades de cada país – que representassem pelo menos 25% da nação.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

PT300x250.gif
Oração do dia
Festividade do dia





Envie suas intenções de oração à nossa rede de mosteiros


Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia