Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Outubro |
São João de Siracusa
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Quando nos casamos, a família vem junto no pacote!

IN LAWS

Photographee-eu - Shutterstock

Luz Ivonne Ream - publicado em 25/08/17

O amor de um casal não deve encontrar obstáculos em outras pessoas – nem mesmo nos pais e sogros

Certo dia, ouvi um dos meus filhos – que tem uma relação muito formal com sua namorada– dizer a ela: “você é igualzinha a minha mãe”. A namorada só ria e dizia que a todo o momento ele repetia aquilo, que somos muito parecidas. Eu fiquei vermelha! Sendo muito honesta, isso me preocupou. Não porque eu seja a pior pessoa, mas porque esse tipo de comparação geralmente não agrada muito às noras e aos genros. Eu somente disse que via algumas semelhanças entre nós, mas queria ser tão bonita, carismática e inteligente quanto ela. Rapidamente, me desfiz em elogios para a namorada. São elogios que ela merece, pois é uma moça que ama meu filho.

Depois, chamei meu filho para conversarmos a sós. Pedi que ele evitasse dizer tudo aquilo para sua namorada e que, ao contrário, sempre a fizesse entender que como ela não há duas, nem sua mãe. Expliquei a ele também que, com este tipo de comparação, corríamos o risco de ela não querer mais ficar perto de nós. Disse ainda que entendia que, como ele ainda não está casado, a mulher mais importante da vida dele sou eu, mas depois deve ser sua esposa. Ainda quis tentar fazê-lo compreender que comparações nunca são boas, muito menos quando já estamos casados, pois a qualquer momento a mulher pode mandar o marido de volta para sua “mamita”.

Pois bem! O tema “família” é delicado e sensível. Principalmente nas famílias latinas, pois somos muito grudados e é mais difícil para nós soltarmos nossos filhos.

Missão cumprida

Será preciso repetir que uma vez casados, nossa prioridade deve ser nosso cônjuge? Acho que não, né? É por isso que precisamos viver o casamento de uma maneira inteligente, pois não se trata de deixar de amar, de cuidar, de ver frequentemente nossos pais, mas de ampliar nosso coração e colocar em ordem nossos amores.

Para qualquer pai ou mãe que ama seus filhos, não há nada mais prazeroso que vê-los amando sua esposa ou seu marido. Isso significa que cumprimos nossa missão como formadores primários, ou seja, nós os ensinamos a amar e a respeitar seu cônjuge sobre todos os outros amores.

Na prática

Quando chega a tão esperada hora de começar uma vida matrimonial, para muitos é um grande desafio, pois são dois mundos de costumes e ideias diferentes que agora se unem. Várias dúvidas podem surgir. Mas cada um deve tomar para si a sua responsabilidade para aceitar e ser aceito, juntamente com suas famílias. A possibilidade de nossa família aceitar nosso cônjuge dependerá muito mais de nós mesmos, do lugar que reservamos para nosso marido ou nossa esposa diante de nossa família e vice-versa.

Há alguns pontos básicos que devemos considerar para termos sucesso nesta empreitada:

  • Para começar, devemos, como casal, entender que é preciso criar uma relação equilibrada e que a prioridade em nosso casamento somos nós dois, inclusive quando chegam os filhos. É preciso abraçar a ideia que agora temos que construir um caminho, uma vida juntos, buscar e encontrar vínculos que tornem a nossa relação mais sólida. Isso leva tempo e requer dedicação.
  • Manter uma atitude de gratidão aos nossos sogros é o básico. Se não conseguimos encontrar nada para agradecer, basta recordar que o homem ou a mulher que hoje é nosso caminho para o céu existe graças a eles. Esse ato de reconhecimento não pode gerar nada menos que agradecimento.
  • Lembre-se de que viemos de famílias, cujos hábitos, valores e formas de demonstrar amor podem ser diferentes de outras famílias. Pode ser que a família dela seja muito fria, desunida e distante. E a dele, seja unida e forte. Há que se encontrar um bom equilíbrio para que este tipo de diferença não seja motivo de brigas familiares e não atrapalhe o nosso crescimento como casal. Com nossos constantes atos de amor e de ajuda, e dando o tempo que nosso marido ou mulher merece, faremos com que nosso cônjuge seja (e se sinta) o número 1 de nossa vida.
  • É importante entender que, quando nos reunimos com nossa família, o ambiente deve ser de cordialidade e de paz. Precisamos evitar comentários e situações que deixem o ambiente pesado, hostil ou com clima pesado. Lembre-se de que serão apenas algumas horas que passaremos com a família. E vale a pena colaborar para que este momento seja agradável.
  • Nossos problemas matrimoniais são só nossos. O mesmo acontece com nossa vida íntima. Quando as coisas não estiverem muito bem no casamento, não devemos desabafar com nossos familiares, especialmente com os pais e sogros, pois, ao final do dia, teremos o nosso cônjuge para conversar. É com o marido/esposa que devemos discutir, perdoar, pedir perdão. Lembre-se que, por mais que nossos sogros nos amem, eles não gostam que falemos mal de seus filhos. Então, devemos conversar apenas em casa e tratar as diferenças dentro do lar.
  • Sempre é bom perguntar a nosso cônjuge sobre seus pais, irmãos e pela família em geral. E esse interesse tem que ser verdadeiro, pois aprendemos a amar amando.

Deve-se reconhecer e aceitar que somos um casal e uma só carne. Mesmo assim, somos seres diferentes, duas realidades distintas, pessoas únicas e peculiares. Portanto, nossas famílias também são diferentes, e temos que aceitá-las, respeitá-las e amá-las.

Tags:
CasamentoFamíliaRelacionamento
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
3
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
6
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
7
JESUS
O São Paulo
Que os mortos enterrem seus mortos: o que Jesus quis dizer com is...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia