Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Compartilhar boas notícias faz bem para a saúde

Compartilhar

Estudos mostram que pequenas doses diárias de felicidade ajudam a viver mais

Nós sempre desejamos boas notícias porque elas têm disto: produzem alegria, fazem-nos sorrir, dão-nos a sensação de felicidade e paz, que, inclusive, faz bem para nossa saúde.

Em 2011, o estudo “A felicidade e a percepção de saúde”, realizado pela Universidade Complutense de Madri e o Instituto Coca-Cola, concluiu que:

  • Quanto mais satisfeitos estivermos com nossa vida, melhor percepção teremos de nossa saúde;
  • As pessoas menos felizes têm mais problemas de saúde;
  • Diante de um problema de saúde, as pessoas felizes têm tendência a se sentirem melhor;
  • A felicidade pode ser afetada pela enfermidade, mas o otimismo e o apoio social e familiar amortizam a perda da felicidade.

Ou seja, rodear-se de pessoas otimistas e felizes não só nos ajuda a ficar mais saudáveis, como também nos ajuda a superar as dificuldades de saúde. E as pessoas otimistas, geralmente, compartilham notícias boas ou, no mínimo, uma visão diferente das coisas.

Neste sentido, um novo estudo realizado pela Universidade de Gonzaga, em Oregón, Estados Unidos, ouviu 162 casais militares depois do 11 de setembro. A pesquisa demonstrou que compartilhar boas notícias, principalmente com seus pares, diminui a solidão e o déficit de sono depois de uma experiência difícil.

A Universidade Autônoma de Madri também publicou, recentemente, outro estudo que analisa o bem-estar e sua relação com a mortalidade. O ensaio demonstra que pequenas doses diárias de felicidade ajudam a viver mais. Inclusive, de acordo com o estudo, o fato de ter vários momentos de felicidade durante o dia provoca um efeito melhor do que a sensação generalizada de satisfação.

É possível que tudo isso tenha a ver com a oxitocina, o hormônio que facilita o parto e a lactação, também chamada de hormônio do amor ou dos vínculos emocionais, pois ela é liberada com os abraços e beijos. Este hormônio pode ajudar a reduzir o estresse, a pressão arterial e até inflamações intestinais. Há uma grande quantidade de estudos que mostram como a oxitocina ajuda a reduzir a dor ,curar feridas, reduzir a obesidade, superar a depressão pós-parto, incrementar a fertilidade masculina e feminina e estimular a produção do hormônio do crescimento, entre outros exemplos.

Por isso, seguem alguns conselhos:

  • Cerque-se de pessoas otimistas, capazes de dar boas notícias e palavras de ânimo nos momentos difíceis;
  • Dê boas notícias às pessoas que o rodeiam. Isso não só as fará mais felizes, como também vai ajudá-las a ficarem mais saudáveis;
  • Diante de uma situação difícil, seja realista, mas não faça tempestade em copo d´água;
  • Sorria, apesar das tristezas. Sempre há algo pelo qual vale a pena sorrir, mesmo que, às vezes, é preciso fazer um esforço. Sua  saúde agradecerá.

E lembre-se: dentro de alguns dias, no Domingo da Ressurreição, teremos uma grande notícia para compartilhar!

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.