Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 27 Fevereiro |
Santa Honorina
home iconReligião
line break icon

Os Papas do século XX que pensaram em renunciar

Donatella Giagnori / EIDON /REPORTER

Aleteia Brasil - publicado em 29/08/17

Bento XVI conhecia os precedentes: "Coisa muito sábia, que todos os Papas deveriam considerar"

O beato Paulo VI foi eleito Papa em 1963, em pleno Concílio Vaticano II, e permaneceu como pontífice até a sua morte em 1978, o famoso “ano dos três Papas” (ele próprio, João Paulo I, que faleceu pouco mais de um mês após ser eleito, e São João Paulo II, cujo longo pontificado se estenderia até 2005).

Apesar de ter estado na Cátedra de Pedro até falecer, Paulo VI tinha se preparado para a eventualidade de renunciar: ele escreveu, de próprio punho, duas cartas de renúnciaao pontificado que deveriam ser divulgadas se ele viesse a perder, durante um longo período de tempo, as capacidades de conduzir a Igreja.

Quem relatou ao mundo a existência dessas cartas foi, na semana passada, o vaticanista italiano Andrea Tornielli, jornalista do periódico italiano La Stampa e diretor do serviço informativo especializado Vatican Insider.

O cardeal Giovanni Battista Re, prefeito emérito da Congregação para os Bispos, confirmou que as duas cartas existem mesmo e que São João Paulo II chegou a mostrá-las a ele:

“Eram duas cartas escritas a mão, não me lembro exatamente da data, mas não eram do último período de vida do Papa Montini. Parece que eram do final dos anos 1960 ou 1970. Paulo VI estava preocupado com uma possível incapacidade no futuro, com algum grave impedimento que não lhe permitisse mais realizar o seu ministério. E, por isso, ele quis ser cuidadoso”.

A primeira carta apresentava a renúncia e a segunda pedia ao cardeal Secretário de Estado que insistisse para que os cardeais aceitassem a primeira.

Em artigo de 26 de agosto de 2017, Andrea Tornielli recorda que, em novembro de 1967, o Papa Paulo VI tinha sofrido uma cirurgia de próstata com anestesia total numa sala cirúrgica improvisada no próprio quarto, dentro do Vaticano. Tornielli considera:

“O que aconteceria se, por exemplo, ele não tivesse acordado, permanecendo em coma durante um longo período? Para tentar resolver esse dilema, diante da maior longevidade das pessoas devido às descobertas da medicina, o Papa decidiu se pronunciar mediante duas declarações assinadas, que só deveriam ser publicadas se ele não fosse capaz de manifestar a própria vontade”.

O contexto, portanto, é diferente daquele que levou o Papa Bento XVI a renunciar em 2013: ele mantinha pleno domínio das faculdades intelectuais e da liberdade de decisão, mas considerou que a sua idade e a sua falta de forças físicas impediriam o trabalho esperado de um Pontífice nas circunstâncias atuais do mundo.

A propósito: Bento XVI sabia da existência das cartas de Paulo VI. Em outubro de 2003, quando ainda era cardeal, ele chegou a comentar:

“Esta é uma coisa muito sábia, que cada Papa deveria fazer”.

Quem testemunhou esta cena foi o monsenhor Ettore Malnati, que era amigo pessoal do pe. Pasquale Macchi, secretário particular de Paulo VI.

A possibilidade de renúncia de um Papa é prevista pelo Código de Direito Canônico desde 1917. O atual Papa Emérito foi o primeiro desde então a renunciar efetivamente, mas a consideração de renúncia por parte de Paulo VI não foi o único precedente.

Tornielli relatou que Pio XI também havia falado dessa possibilidade em caso de doença e que Pio XII planejava o mesmo se fosse deportado pelos nazistas. Foi neste sentido, aliás, que Pio XII chegou a dizer: “Se me sequestrarem, terão o cardeal Pacelli, mas não terão o Papa“. Eugenio Pacelli era o nome de batismo de Pio XII.

O próprio São João Paulo II não mostrou à toa aquelas duas cartas de Paulo VI ao cardeal Giovanni Battista Re: ele sofria do mal de Parkinson e, vendo a piora da sua saúde, amplamente repercutida pela mídia mundial, também ponderou a possibilidade de renunciar se fosse necessário.

Até o Papa Francisco já disse, explicitamente e em várias ocasiões, que a possibilidade da renúncia vale para ele também. O Santo Padre chegou a se mostrar agradecido a Bento XVI por ter implantado a figura do Papa Emérito.

Tags:
papasrenuncia
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
3
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
4
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
5
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
6
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
7
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia