Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 18 Outubro |
São Lucas
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Recomendação de ingerir menos gorduras é contraproducente em países pobres

Wilfredorrh-CC

Agências de Notícias - publicado em 29/08/17 - atualizado em 29/08/17

A recomendação geral de reduzir o consumo de gorduras pode ser contraproducente nos países de rendas baixa e média, já que pode levar a um aumento da ingestão de carboidratos, menos saudáveis do que se acreditava, segundo um novo estudo divulgado nesta terça-feira.

As autoridades de saúde da maioria dos países, assim como a ONU, recomendam limitar o consumo de alimentos gordurosos e que as frutas e verduras tenham um maior peso em nossa alimentação.

Mas nos países pobres, reduzir as gorduras pode levar a consumir mais carboidratos – como batata, arroz e pão -, porque as frutas e verduras são mais caras, segundo os autores do artigo publicado na revista médica The Lancet.

“A tendência atual de promover dietas pobres em gorduras ignora o fato de que a alimentação da maioria das pessoas nos países de rendas baixa e média é muito rica em carboidratos, algo que parece estar ligado a uma pior saúde”, disse Mahshid Dehghan, pesquisadora da Universidade McMaster de Ontário (Canadá) e diretora do estudo.

Ao mesmo tempo, um relatório paralelo, também publicado na prestigiosa revista, conclui que as recomendações dos países ricos – apoiadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – sobre o consumo de cinco porções de frutas e verduras por dia poderiam ser reduzidas perfeitamente para três nas nações pobres, uma quantidade mais viável economicamente.

– 135.000 voluntários –

Ao longo de sete anos e meio, os autores fizeram um acompanhamento de 135.000 voluntários de 18 países em todo o mundo, com entre 35 e 70 anos de idade.

Aqueles que cobriam ao menos 3/4 das suas necessidades energéticas diárias com carboidratos tinham um maior risco de morte prematura (+28%) que o resto.

Além disso, aqueles que seguiam uma dieta rica em gorduras (35% do consumo energético) tinham um risco menor de morte prematura (-23%) do que aqueles que ingeriam uma baixa quantidade de gorduras (11% do consumo).

“Contrariamente à crença popular, um aumento do consumo de gorduras está associado a um menor risco de morte prematura”, disse Dehghan à AFP.

– Desequilíbrios regionais –

Os autores consideraram as gorduras saturadas, como a carne e os produtos lácteos, assim como as mono e polinsaturadas (óleos vegetais, azeite de oliva, peixes, frutas secas). Excluíram as gorduras “trans” dos alimentos processados porque “há provas claras de que são prejudiciais à saúde”, afirmou Dehghan.

Na dieta mais saudável, 50-55% das calorias provém de carboidratos e 35% de gorduras, segundo os autores, que apresentaram o estudo no congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, que é realizado esta semana em Barcelona, Espanha.

As recomendações gerais atuais – baseadas principalmente em estudos na Europa e Estados Unidos – estabelecem um consumo energético baseado em 50-65% de carboidratos e menos de 10% de gorduras saturadas.

O estudo estabeleceu uma dieta média no mundo de 61% de carboidratos, 23% de gorduras “boas” e 15% de proteínas.

Mas esta média varia segundo as regiões, e na China, sul da Ásia e África os carboidratos representam 67, 65 e 63%, respectivamente. Na América do Sul, a porcentagem é de 57%.

O estudo analisou, além disso, os vínculos entre a dieta e as doenças cardiovasculares, que matam cerca de 17 milhões de pessoas no mundo por ano.

Mas apesar de um regime abundante em carboidratos e pobre em gorduras ter sido associado a um maior risco de morte prematura, os cientistas não determinaram nenhum risco estatístico relacionado com ataques do coração e outros acidentes cardiovasculares.

Portanto, “a relação estabelecida (no estudo) entre as dietas ricas em carboidratos e o aumento da mortalidade não provém de causas cardiovasculares” e é por enquanto “inexplicável”, segundo Dehghan.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
2
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
3
Milagre do Sol em Fátima
Reportagem local
13 de outubro: o dia em que o mundo presenciou o Milagre do Sol e...
4
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
PRIEST-EUCHARIST-ELEVATION-HOST
Philip Kosloski
O que devemos rezar quando o padre eleva a hóstia e o cálice?
7
MIRACLE SUN
Philip Kosloski
Um cientista descreve o Milagre do Sol em Fátima
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia