Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 29 Novembro |
São Saturnino de Cartago 
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Balanço das perdas do Estado Islâmico até agora

Mystyslav Chernov | CC

Agências de Notícias - publicado em 31/08/17 - atualizado em 31/08/17

O grupo Estado Islâmico (EI) se encontra em plena debandada no Iraque e na Síria, os dois países que devastou com suas conquistas territoriais e seu regime de terror.

Após perder Tal Afar e toda a província de Nínive, no norte do Iraque, um dos seus últimos redutos, o grupo também está em situação desesperada em Raqa, seu reduto sírio.

– O que resta do “califado”?

Em 2014, o grupo extremista sunita controlava cerca de um terço do território iraquiano. Atualmente, após a perda de Nínive, conta com apenas 10%, segundo cálculos da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

O grupo está presente em três zonas: Hawija, 300 km ao norte de Bagdá, e em Al-Qaim, Rawa e Anna, três localidades no deserto ocidental, na fronteira com a Síria.

Na Síria, as Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança de combatentes curdos e árabes apoiada pelos Estados Unidos, entraram em junho em Raqa, a “capital” desde 2014 do EI nesse país em guerra. Em poucas semanas conseguiram reconquistar 60% da cidade.

Entre 5.000 e 10.000 extremistas, entre eles seus principais comandantes, fugiram de Raqa para o Vale do Eufrates, mais ao sul, segundo autoridades militares da coalizão internacional.

A zona, de 160 km de comprimento, estende-se da localidade de Deir Ezzor na Síria até Al-Qaim, no Iraque.

Do lado sírio, os extremistas estão sob pressão das forças da coalizão internacional, do regime sírio e de seu aliado russo. Do lado iraquiano, são pressionados pelas forças do governo.

– Qual o seu poder militar no Iraque? –

Apesar do seu território estar diminuindo, o EI conta com células dormentes em todo o território iraquiano. O EI já realizou muitos atentados sangrentos, em particular contra os xiitas, que consideram hereges, nas cidades reconquistadas pelas forças iraquianas e em Bagdá. O último atentado, na segunda-feira, causou 11 mortos no bairro de Sadr City de Bagdá, majoritariamente xiita.

O retorno a um modo operacional de insurgência cria um clima de insegurança permanente para os iraquianos e dificulta a tarefa das forças de segurança.

– E no exterior? –

Para alguns especialistas, a destruição das estruturas do “califado” no Iraque e na Síria poderia gerar a dispersão de seus membros e aumentar os riscos de atentados em todo o mundo.

O EI se tornou em uma franquia que pode ser utilizada por “lobos solitários” ou grupos isolados em todo o mundo, sem que seja necessário para seus membros ter passado pela Síria ou pelo Iraque.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia