Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

4 passos para darmos quando alguém nos faz o mal

mavo/Shutterstock
Compartilhar

Baseados no Evangelho e nas cartas de São Paulo, os conselhos do Papa Emérito Bento XVI sobre a correção fraterna

O Papa Bento XVI abordou o delicado tema da correção fraterna em uma alocução de setembro de 2011 na residência de Castelgandolfo.

Para começar, ele recordou que amar ao próximo como a nós mesmos é um mandamento, não apenas uma sugestão, e observou que “o amor fraterno envolve um senso de responsabilidade mútua” que é justamente a base da correção fraterna: “Se um irmão cometer uma falta contra mim, devo usar de caridade para com ele“.

E como fazer isso?

Bento XVI apresenta 4 passos:

1º Passo

“Primeiro, falar-lhe pessoalmente, fazendo-lhe ver que o que disse ou fez não é bom. Esta forma de agir se chama correção fraterna e não é uma simples reação à ofensa sofrida; antes, é devida ao amor pelo irmão. ‘Quem te ofendeu, causou a si mesmo uma grave ferida ao ofender-te. Como é que poderias despreocupar-te da ferida de um irmão teu? Deves esquecer a ofensa que recebeste, mas não a ferida do teu irmão”.

2º Passo

[Se o teu irmão não te ouvir,] “volte a falar com ele diante de duas ou três pessoas, para o ajudar melhor a tomar consciência do que fez”.

3º Passo

[Se ainda assim] “ele rejeitar a observação, dizê-lo à comunidade“.

4º Passo

“Se ele nem sequer escutar a comunidade, deverá ser advertido do afastamento que ele mesmo causou, separando-se da comunhão da Igreja”.

Bento XVI também recordou que “existe uma corresponsabilidade no caminho da vida cristã, e todos, conscientes dos próprios limites e defeitos, estão chamados a aceitar a correção fraterna e a ajudar os outros com este singular serviço“, que exige “muita humildade e simplicidade de coração“.