Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 20 Abril |
Santa Inês de Montepulciano
home iconAtualidade
line break icon

Após série de derrotas, Estado Islâmico recua para o deserto

Jeffrey Bruno | Aleteia

A canyon in Red Rock, a few miles east of downtown Gallup, NM.

Agências de Notícias - publicado em 05/09/17

Na Síria, o EI perdeu mais de 60% de sua autoproclamada capital, Raqa (norte)

Uma série de derrotas no Iraque e na Síria obriga o grupo extremista Estado Islâmico (EI) a recuar para o deserto e para a clandestinidade, três anos depois de controlar uma área com 7 milhões de habitantes e tamanho equivalente ao do território da Itália.

No final de 2014, o grupo criado no Iraque tinha o controle de um terço desse país rico em petróleo. Hoje, perdeu 90% do território conquistado, incluindo a segunda maior cidade iraquiana, Mossul, onde havia proclamado um “califado” entre Síria e Iraque.

Na Síria, o EI perdeu mais de 60% de sua autoproclamada capital, Raqa (norte), após uma ofensiva da aliança curdo-árabe respaldada pelos Estados Unidos.

Também está ameaçado pelas tropas do governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, na última província sob seu controle: Deir Ezzor (leste).

Da metade do território sírio que chegou a controlar, o grupo continua com 15%, informou à AFP o geógrafo Fabrice Balanche, especialista em Síria na Universidade de Lyon (França).

O tamanho é três vezes menor do que a área controlada pelo governo sírio, que administra 50% do país devastado pela guerra, enquanto as forças curdas dominam 23%, de acordo com Balanche.

“O projeto de governo do EI está em apuros no Iraque e na Síria, mas o EI não está derrotado”, explica Ludovico Carlino, especialista em movimentos extremistas do centro de pesquisa IHS Country Risk.

A perda de Raqa, uma cidade simbólica (igual a Mossul) do projeto “estatal” dos “jihadistas”, terá “consequências enormes para o EI em termos de propaganda”, segundo Carlino, mas o grupo vai recuar para o deserto sírio-iraquiano.

– Volta à clandestinidade –

O Vale de Eufrates, que vai da província de Deir Ezzor, no leste da Síria, até Al-Qaim, no oeste do Iraque, será a “plataforma de lançamento da insurreição, com o EI novamente na clandestinidade”, afirma.

De acordo com a coalizão internacional anti-EI liderada pelos Estados Unidos, entre 5.000 e 10.000 combatentes e comandantes extremistas já fugiram de Raqa.

O EI “transferiu todas as suas instituições administrativas” para esta zona de 160 quilômetros e controla campos de petróleo, informa Carlino.

De acordo com o especialista, a arrecadação mensal do grupo extremista com petróleo caiu 88% na comparação com 2015. As quantias arrecadadas com taxas e confiscos registraram queda de 79%.

Diferentes forças preparam a batalha no Vale de Eufrates, onde existe o plano de cercar o EI: as tropas do regime sírio apoiadas pela Rússia, as forças iraquianas e as FDS apoiadas pelos Estados Unidos.

Os “jihadistas” começaram a cavar túneis e a montar redes de fabricação de explosivos e de carros-bomba, segundo militares da coalizão internacional.

Balanche diz que, “como a perda de Raqa é certa, a tomada completa de Deir Ezzor por parte do Exército sírio marcará uma guinada decisiva”.

Isto explica o nervosismo do EI em Deir Ezzor.

“Fecharam todas as entradas da cidade, cada bairro, cada rua, e minaram as margens das cidades”, relatou à AFP o militante Omar Abu Leïla, que está na capital desta província.

Para evitar “uma descoberta e uma infiltração justo antes da batalha, espalharam mais espiões e prendem todos os jovens nas ruas”, completa.

Após a expulsão dos extremistas da Síria e do Iraque, os países terão de lidar com o tema das relações entre as diferentes populações do país – as majoritárias e as minoritárias.

– Medo –

Cercados, famintos, sem água, ou acesso à energia elétrica, os habitantes de Deir Ezzor têm tanto medo da batalha quanto do que acontecerá depois.

“Temem que as FDS cheguem a um acordo com o regime para a entrega do território retomado do EI”, afirma Omar Abu Leila.

“O outro grande medo é que milícias do Irã massacrem os civis como vingança, usando como desculpa que pertenciam ao EI”, completa.

No passado, as divisões étnicas e religiosas serviram como um estímulo para a propagação do EI frente a Estados incapazes de reconciliar as distintas comunidades, advertem os especialistas.

De acordo com Balanche, alguns membros do EI “continuarão com a jihad em outro lugar”.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
BENEDICT XVI
Reportagem local
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
6
Reportagem local
Hoje celebramos Santa Bernadette, a menina que viu Nossa Senhora ...
7
Papa Bento XVI
Reportagem local
Bento XVI faz 94 anos e é o primeiro Papa a atingir essa idade na...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia