Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Quando São Miguel Arcanjo derrotou o diabo que tinha o rosto de um papa

RENI - VELAZQUEZ
Public Domain
Compartilhar

Surpresa e indignação quando todos descobriram que o diabo tinha a cara de Inocêncio X

Talvez muitos já tenham visto a famosa obra de Guido Reni, “São Miguel derrotando o demônio”, que está na igreja de Santa Maria da Conceição (Roma). É uma pintura maravilhosa, em que o artista da primeira metade do século XVII colocou toda a sua alma – a pesar das muitas dificuldades técnicas – para representar o arcanjo com uma beleza extraordinária.

O quadro foi encomendado pelo cardeal Barberini, de uma das famílias romanas mais importantes e nobres da época. A outra era a família Pamphilii. Entre as duas não existiam boas relações. Os Pamphilii também tinham um cardeal na família, Giovannni Battista Pamphilii. Elas esperavam um dia chegar ao poder.

Diz-se que o cardeal Pamphilii havia difamado o artista, prejudicando gravemente sua reputação. Por isso, Reni, ressentido, decidiu se vingar do cardeal. Quando a obra foi concluída e apresentada ao público, todos ficaram maravilhados com a perfeição e a beleza daquele anjo. Mas também ficaram espantados ao ver o rosto do demônio, que acharam um pouco – ou melhor, bastante – parecido com o cardeal Pamphilii.

Public Domain
The Archangel Michael Defeating Satan, 1635 - Guido Reni in Santa Maria della Concezione dei Cappuccini, Rome

Diante da situação, os Pamphilii foram pedir explicações ao artista, que respondeu: “É verdade que nunca pude encontrar a beleza do paraíso, mas vi, sim, o rosto do diabo. E ele é como o pintei. Portanto, não mudo”.

A zombaria se agravou com o tempo, até mesmo quando o cardeal Pamphilii se tornou papa, o Papa Inocêncio X.